Filmes e séries

François Ozon traz sexualidade, melodrama e suspense em "Uma Nova Amiga"

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

15/07/2015 16h17

Acostumado a esmiuçar a hipocrisia dos costumes da classe média francesa e suas transgressões inibidas, o diretor François Ozon chega a um novo patamar em "Uma Nova Amiga", que estreia nesta quinta (16). Em seu novo longa, ele traça um melodrama, que evolui para um suspense psicológico à la Hitchcock, envolvendo o espectador em uma virtuosa tensão sexual almodovariana.

O roteiro, assinado pelo cineasta, é livremente adaptado do conto homônimo da escritora Ruth Rendell (falecida em maio deste ano). Celebrada autora inglesa de romances policiais, seus livros já foram fonte de inspiração para grandes diretores, como Claude Chabrol ("Mulheres Diabólicas", 1995), Claude Miller ("Betty Fisher e Outras Histórias", 2001), além de Pedro Almodóvar, em um dos seus maiores sucessos, "Carne Trêmula" (1997).

O diretor francês, que nunca negou sua predileção pela tradição inglesa de livros policiais à literatura francesa, e o protagonismo feminino em seus filmes, faz uma versão da história ao seu estilo. Assim dá atenção à personagem Claire (a excelente Anaïs Demoustier), cuja melhor amiga, Laura (Isild Le Besco) morre tragicamente, deixando David (Romain Duris) viúvo com um filho recém-nascido. Ozon faz um resumido no prólogo, em que mostra a relação entre ambas, desde a infância, que culmina em uma promessa agonizante: ela deve ajudar David em sua perda.

Com a própria dor para resolver, ela é instigada pelo marido Gilles (Raphaël Personnaz) a procurar o viúvo. Porém, quando chega na casa de David sem avisar, se depara com uma loura, vestida e maquiada, acalmando o bebê. A figura que a cumprimenta não é outra senão o próprio rapaz, que entre pânico e sensibilidade, defende sua transcendência aos estereótipos de gênero.

Contar além do choque inicial de Claire poderia ser considerado um grande "spoiler", pois é nesse momento que Ozon dá início a um tenso e complexo e bem-humorado até certo estágio relacionamento a três, definido pela constante lembrança de Laura, que surge como um fantasma catalisador de conflitos.

A produção derrapa de forma discreta entre o melodrama surreal e o suspense, mas segue com destreza, acompanhado pela excelente atuação da dupla Duris e Demoustier. Também se apoia na trilha sonora persuasiva de Philippe Rombi (de "Dentro de Casa") e na fotografia de Pascal Marti (de "Jovem e Bela"), em um trabalho brilhante (como a cena da noiva falecida), acrescentando ainda mais nuances à narrativa de Ozon, que ironiza a dissimulação pequeno-burguesa, não só francesa.

Assista ao trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo