Filmes e séries

"Sentimentos que Curam" traz família tentando lidar com problemas emocionais

Alysson Oliveira

Do Cineweb

15/07/2015 16h45

A ação de "Sentimentos que Curam", que estreia nesta quinta (16), passa-se nos anos de 1970 e, dessa forma, ecoa os movimentos sociais e as mudanças radicais da década anterior. O pai com transtorno bipolar interpretado por um Mark Ruffalo que empolga e "irrita" na medida certa talvez seja, na verdade, a representação de uma dificuldade masculina em se reajustar a esse novo mundo.

Por um lado, ele é um excêntrico que precisa cuidar das filhas pequenas; por outro, ele é um homem lutando contra problemas emocionais sérios.

Escrito e dirigido pela cineasta estreante Maya Forbes, o longa parece um toque autobiográfico, retratando o reajustamento social e emocional que se fez necessário naquela década. Cam (Ruffalo) e Maggie (Zoe Saldana) conheceram-se em Harvard, no fim dos anos de 1960.

Logo se apaixonaram, casaram, ele trabalhou um pouco com televisão, mas sua condição cada vez mais severa foi uma limitação em sua carreira, conforme explica a filha mais velha, Amelia (Imogene Wolodarsky), no começo da história.

A entrada do personagem no filme não poderia ser mais triunfal: vestindo apenas uma cueca vermelha, ele se joga na frente do carro para impedir que a mulher e as crianças o deixem.

Este aparenta ser apenas mais um ataque entre tantos outros, e o olhar assustado de Maggie dá a entender que não é o primeiro, e, talvez, nem o mais grave. E quando finalmente Cam está se tratando numa clínica, ela se desdobra para manter a casa, sem muita ajuda da família rica dele.

Quando ela é aprovada para cursar um mestrado em Nova York, surge o dilema de o que fazer com as crianças. A saída é deixá-las sob os cuidados de Cam, com a aprovação do médico dele e o receio das meninas.

Se num primeiro momento, tudo se dá aos trancos e barrancos, aos poucos, Cam se ajusta e se revela um pai cuidadoso, que tenta contornar suas questões emocionais. Suas flutuações de humor são um problema com as quais todos precisam lidar.

A ausência de Maggie era um complicador, mas, afinal, torna-se um catalisador para a aproximação entre os pais e as filhas.

A seu modo, essa família está mais em sintonia com seu tempo do que os que os cercam. No prédio onde moram, as vizinhas estranham um pai que fica em casa cuidando das filhas, enquanto sua esposa sai para estudar e trabalhar.

A ambição de Maggie que além dos estudos inclui um trabalho melhornão é retratada de forma negativa, o que também não quer dizer que tudo seja fácil. Ela é uma mulher negra, em plenos anos 70, tentando conseguir um bom emprego, e, embora tenha capacidade para diversas vagas, enfrenta empecilhos e preconceitos.

A questão racial também surge de outra forma. A caçula, Faith (Ashley Aufderheide), é negra, enquanto sua irmã, branca e é exatamente essa quem tem problemas em se afirmar como filha de um casal racialmente misto.

Maya Forbes retrata uma família longe de um padrão tipicamente americano que vigorou nas décadas anteriores. Aqui, vemos pessoas num momento de transição tentando compreender não apenas seu tempo, mas a si mesmas.

Se as mudanças dos anos de 1960 sacudiram os paradigmas da sociedade patriarcal, a família de Cam e Maggie é exatamente a materialização de tudo aquilo que estava em transformação.

Assista ao trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo