Filmes e séries

Fabricantes de drones da Nova Zelândia disputam mercado de Hollywood

Naomi Tajitsu/Reuters
6.jul.2015 - Engenheiro aeronáutico Coenraad Brand testa drone em Raglan, na NZ Imagem: Naomi Tajitsu/Reuters

Naomi Tajitsu

Raglan (Nova Zelândia)

20/07/2015 13h11

No coração da região que sedia a indústria de laticínios da Nova Zelândia, a fabricante de drones (aeronaves não tripuladas) Aeronavics testa modelos concebidos para pegar um atalho no mercado emergente, e de rápido crescimento, desses artefatos no negócio dos filmes e da televisão.

Os criadores dos drones usados na produção da série "Dr. Who" e da franquia "Crepúsculo" são parte de uma série de empresas neozelandesas que estão aproveitando a reputação de inovação que o país tem na indústria cinematográfica para tentar ditar o rumo do que se espera ser uma grande procura por drones em Hollywood.

O relaxamento do uso comercial de drones nos Estados Unidos no final do ano passado desencadeou uma corrida para desenvolver plataformas de câmeras voadoras que, embora custem em torno de 100 mil dólares cada, ainda assim saem mais baratas do que alugar os guindastes e helicópteros que os estúdios empregam normalmente para fazer tomadas aéreas.

Até agora, os cinegrafistas vinham adicionando peças como câmeras com qualidade de cinema a drones de linha que custam alguns milhares de dólares cada. Os fabricantes de drones da Nova Zelândia querem mudar tudo isso com aeronaves sofisticadas e feitas sob medida.

Naomi Tajitsu/Reuters
6.jul.2015 - Técnico trabalha em drone em empresa de Raglan, na Nova Zelândia Imagem: Naomi Tajitsu/Reuters

"Muitas empresas de tecnologia de drones começaram no setor de filmes e fotos por encomenda, e a indústria cinematográfica da Nova Zelândia tem uma reputação global de avanços tecnológicos de ponta no cinema", disse Chris Thomson, gerente de aviação da incubadora de tecnologia governamental Callaghan Innovation.

Os fabricantes de drones neozelandeses estão expandindo inovações criadas localmente, incluindo o software de animação usado na trilogia "O Senhor Dos Anéis" e a tecnologia de captura de movimento em tempo real responsável pelas expressões faciais convincentes de "Avatar".

Apoiado por James Cameron, o diretor de "Avatar", o governo da Nova Zelândia está realizando uma competição entre desenvolvedores de drones para a indústria cinematográfica, concentrando-se em critérios como estabilidade de voo, redução de ruído e resistência ao clima.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Topo