Filmes e séries

"A Forca" faz terror convencional com supostos vídeos verídicos

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

22/07/2015 16h07

Apenas quem for jovem o suficiente para não ter visto "Holocausto Canibal" (1979), "Bruxa de Blair" (1999) ou "Atividade Paranormal" (2007) poderá encontrar alguma novidade em "A Forca".

Amparado na já puída lógica de vídeos assustadores encontrados pela polícia após uma tragédia, recurso conhecido como "found footage", a nova produção é um derivado do gênero, que sofre para encontrar algum ponto mais ousado.

O filme ficou conhecido, em maio, por viralizar em mídias sociais uma brincadeira para chamar um espírito, um tal de Charlie, morto no México ou Estados Unidos, dependendo da versão.

Enquanto adolescentes incautos repetiam o nome em busca de repostas do além, a equipe de marketing do filme olhava para sua ação às gargalhadas, ao ver uma produção de baixíssimo orçamento faturar mais de 10 milhões de dólares só no fim de semana de estreia nos EUA.

Embora o jogo seja anterior ao filme, o fantasma desta história é o ficcional Charlie Grimille, um adolescente que morreu acidentalmente enforcado durante uma peça de teatro escolar, em 1993. Da morte, nasceu uma lenda urbana, como apontam os diretores e roteiristas Travis Cluff e Chris Lofing durante a projeção.

Vinte anos depois do acidente, o desagradável Ryan Shoos (os atores emprestaram seus nomes reais aos personagens) é um aluno da mesma escola de Charlie. Com câmera na mão, este caçador de nerds sexista ridiculariza seu melhor amigo Reese Mishler por atuar na nova produção teatral da escola, a mesma em que o jovem morreu duas décadas antes.

É de Ryan a (péssima) ideia de destruir o cenário da peça na véspera da apresentação. Alega que, assim, Reese não passaria vergonha -- lógica aceita pelo colega. O plano é simples: invadem a escola à noite e desmontam tudo, com a ajuda da namorada Cassidy Gifford, que se junta à dupla.

Ao chegar lá, no entanto, se deparam com a atriz principal Pfeifer Brown e, ainda, se veem trancados na escola, sem sinal de celular. Fica claro também que não estão sozinhos, quando Charlie aparece para fazer uma visita.

Embora a dupla de diretores consiga entregar alguma tensão (com muitos sustos), com a colaboração do Edd Lukas, que assina a fotografia mórbida e escura, é muito pouco. Replica fórmulas dos filmes que usa como referência, sem acrescentar nada de impactante para a audiência.

Também se provoca dúvidas sobre o conteúdo, graças a complexidades desnecessárias colocadas no roteiro, que atrapalham a dinâmica do filme. Exemplo claro é a motivação da vingança de Charlie, irrelevante e, pior, mal contada.

Assista ao trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
Topo