Filmes e séries

"Jogada de Mestre" reconstitui história real do sequestro de Freddy Heineken

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

29/07/2015 16h03

Não deixa de ser engraçado que o novo filme do diretor Daniel Alfredson (da excelente trilogia sueca sobre a série "Millennium") tenha sido batizado como "Jogada de Mestre". Afinal, é baseado no sequestro verídico do magnata cervejeiro Freddy Heineken, na Holanda, em 1983, sabidamente malogrado para o quinteto criminoso.

Também é divertido saber que o autor do livro que inspirou o roteiro (e o coescreveu), Peter R. de Vries, só participou do filme, que estreia nesta quinta (30), porque não gostou do abismo entre verdade e ficção de uma produção similar de 2011, "O Sequestro de Heineken", dirigida pelo holandês Maarten Treurniet. Mas também não concordou com a nova versão e, em protesto, sequer apareceu à pré-estreia.

O que não é engraçado é o drama policial morno que Daniel, irmão do cineasta Tomas Alfredson (de "O Espião que Sabia Demais"), apresenta neste novo projeto.

Sem tensão narrativa, com um elenco anglo-australiano que nada tem a ver com a situação e uma ilustração pouco convincente dos fatos (não por acaso de Vries se irritou), a primeira empreitada do diretor na língua inglesa fica devendo ao seu talento.

Na produção, cinco desempregados holandeses bolam um plano para sequestrar o bilionário Freddy Heineken (Anthony Hopkins).

Não se entende como os construtores Cor Van Hout (Jim Sturgess), Willem Holleeder (Sam Worthington), Jan Boellard (Ryan Kwanten), Frans Meijer (Mark van Eeuwen) e Martin Erkamps (Thomas Cocquerel) poderiam ter qualquer aptidão para arquitetar um dos mais rentáveis e famosos crimes no país, que rendeu um resgate de 20 milhões de dólares. Na vida real, eles demoraram dois anos para o feito.

Para começar, roubam um banco para arcar com os custos e, enfim, sequestram o cervejeiro, que é colocado em um cativeiro construído pelos próprios criminosos. Nos conflitos inerentes às semanas de confinamento, Heineken permanece equilibrado e frio, num papel sob medida para o talento de Hopkins.

Mas é no relacionamento do grupo em que se percebe a falta de substância do roteiro. Van Hout e Holleeder, os líderes do bando (que ficam abaixo do potencial dos atores) parecem ser levados pelos acontecimentos e não os responsáveis pela ação. Mesmo Boellard, supostamente o criminoso com coração, está longe de causar alguma impressão nesse sentido.

O filme tenta, de alguma forma, atenuar a falha moral do quinteto com humanismo, mas as fissuras técnicas da narrativa se sobrepõem a esse entendimento. Uma produção, enfim, que em nada corresponde ao título.

Assista ao trailer do filme

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
Topo