Filmes e séries

ESTREIA-Tensão sufocante marca o terror "Corrente do Mal"

26/08/2015 16h38

SÃO PAULO (Reuters) - Finalmente chega aos cinemas brasileiros o filme de terror de baixo orçamento do jovem diretor norte-americano David Robert Mitchell, que tem colecionado elogios superlativos por onde estreia. O sucesso faz sentido. “Corrente do Mal” (2014), com seu argumento central de gosto um tanto duvidoso, é um filme tenso, que foge de convencionalismos técnicos e garante novos ares ao gênero.

De forma inteligente, Mitchell se arvora em múltiplas referências para construir a narrativa. Do primeiro “Sexta-Feira 13”, traz a relação entre sexualidade, juventude e o mal, na lógica quase moralista que dominou o gênero nos EUA na década de 1980.

Outra relação é com elementos do cinema japonês (em que cabe o excelente “Ringu”, de 1998, como exemplo), e a concepção do sobrenatural enigmático, imprevisível e constante. Segue até mesmo a linha indivisível de sonho e pesadelo, recorrente em David Lynch.

Mas o resultado final não é um mosaico e sim um filme autoral, que segue o mesmo estilo do drama juvenil “The Myth of the American Sleepover” (2010), début de Mitchell, ainda inédito no Brasil.

Na fantasia armada pelo diretor e roteirista, o sofrimento da jovem Jay (Maika Monroe) começa logo depois de ir para a cama (aqui, na verdade, o banco traseiro do carro) com o novo namorado (Jake Weary). Após o sexo, o rapaz prende a moça para provar que lhe transmitiu uma espécie de maldição: uma criatura, que pode assumir qualquer aparência humana e que ninguém além dela verá, irá persegui-la dia e noite até matá-la.

Essa é a tal corrente do mal em que, para sair dela, é preciso fazer sexo com outra pessoa. Embora o diretor já tenha dito que não gosta da interpretação, é explícita a relação com uma doença sexualmente transmissível. Um argumento correto, mas simplista.

Embora a premissa soe uma grande bobagem, Mitchell surpreende com sua composição. O mal, que não se sabe de onde vem ou sua real motivação, apenas caminha na direção de sua vítima. Jay cruza a cidade, pode até atravessar continentes, mas sabe que, em algum momento, na forma de uma criança ou idoso, a criatura irá alcançá-la.

Nesse momento, o diretor abusa das tomadas amplas e planos longos para proporcionar ao espectador uma visão completa do cenário para identificar por onde o mal está chegando. Nada de sustos, gritos, muito sangue. Só a vaga ideia de que algo está vindo, devagar, inabalável e fatal.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Topo