Filmes e séries

Pouco fiel ao livro, sequência de "Maze Runner" tropeça em história confusa

Rodrigo Zavala

Do Cineweb, em São Paulo

16/09/2015 15h38

Depois do sucesso do primeiro filme (em 2014) sobre a trilogia literária "Maze Runner", escrita pelo norte-americano James Dashner, já era de se esperar que a franquia cinematográfica seguiria a toque de caixa. Ainda mais por se tratar da adaptação de uma história juvenil, que mistura ficção científica, suspense, distopia e ação, nos moldes das séries "Jogos Vorazes" e "Divergente".

Com a tetralogia encomendada (o desfecho foi dividido em duas produções), estreia nesta quinta (17) "Maze Runner: Prova de Fogo", em que é mostrado o destino dos "clareanos", que fugiram do labirinto no primeiro filme. O que se sabe é que o grupo de adolescentes liderados por Thomas (Dylan O'Brien) faz parte de uma experiência controlada pela organização vilã Cruel, que tem a ver com a epidemia "fulgor", que destruiu o planeta.

Nos livros de James Dashner, em que a ação corre para reter o leitor encucado com os mistérios que o autor revela apenas no fim, há uma lógica que, nesta adaptação cinematográfica, não foi seguida. Se a fonte, o segundo livro, já não levava a lugar nenhum, o filme a partir dele é ainda mais atrapalhado, ao mudar substancialmente a história.

Na versão do roteirista T.S. Nowlin (que praticamente reescreveu a trama), Thomas e sua trupe acabam em uma fortaleza de refugiados de outros labirintos, na sequência dos fatos do primeiro filme. Chefiado pelo irônico Janson (Aidan Gillen, da série de TV "Game of Thrones"), não demoram muito para perceber que se trata de uma nova armadilha da Cruel.

Assim, precisam escapar mais uma vez, agora para um deserto escaldante habitado por criaturas mortais, os tais Cranks pessoas infectadas com o "fulgor", que se tornam uma espécie de mortos-vivos, similares aos do filme "Guerra Mundial Z". Os únicos refúgios são vilarejos dominados por bandidos e um grupo armado de resistência à Cruel, que vive nas montanhas.

Com a organização na cola dos adolescentes, a narrativa pende mais para um road movie, com os protagonistas correndo e sofrendo com toda a sorte de problemas, incluindo tempestades elétricas, sobreviventes revoltados e traições internas. A ação tem primazia nos acontecimentos, o que torna o enredo confuso, pois as peças para entendê-lo simplesmente não se encaixam.

Por mais licenças que se dê a um filme intermediário na saga, pois a resolução dos conflitos é intencionalmente deixada para as próximas produções, o que se vê em "Prova de Fogo" é um problema de evolução. Não há um desenvolvimento dos personagens (em parte, uma deficiência que vem do livro) ou mesmo da narrativa; apenas um punhado de situações de ação com pouquíssimas pistas sobre a motivação do que se vê na tela.

Superior em quase todas as dimensões, "Correr ou Morrer" ainda era inventivo ao canalizar para si elementos de "O Senhor das Moscas" (escrito por William Golding e adaptado aos cinemas em 1990, por Harry Hook) e do paranoico "Cubo" (de Vincenzo Natali, em 1997). Daí a expectativa que o diretor Wes Ball mantivesse a qualidade desta sequência, que pode confundir até mesmo quem leu a trilogia.

Assista ao trailer do filme

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
Topo