Filmes e séries

Anacrônico, "Vai que Cola - O Filme" tenta fazer rir na base do grito

Alysson Oliveira

Do Cineweb, em São Paulo

30/09/2015 17h11

Derivado de um humorístico da televisão, "Vai que Cola - O Filme" não esconde suas origens, e parece um piloto para uma sitcom. O cenário do original é apenas um palco giratório, que abriga alguns cômodos da pensão de Dona Jô (Catarina Abdalla) —mas aqui, há até o lado de fora do local.

Dirigido por César Rodrigues ("High School Musical: O Desafio"), o longa começa com Valdomiro Lacerda (Paulo Gustavo), um sujeito extremamente rico, morador do Leblon sendo vítima de um golpe e perseguido pela polícia.

Na fuga, consegue uma carona para o Méier e se instala na pensão, de onde sonha sair. Enquanto isso não acontece, ganha a vida entregando as marmitas feitas por Dona Jô. Até o dia em que é procurado pelo ex-sócio (Márcio Kieling), que o traiu, com uma proposta de voltar para a sua antiga cobertura, e depois vendê-la. Assim, com o dinheiro saldariam as dívidas e Valdo poderia fugir do país.

Nesse mesmo dia, a pensão de Dona Jô é interditada porque corre o risco de desabar, e Valdo se vê obrigado a levar os colegas para o Leblon. É nessa ideia de "peixe-fora-d´água" que o roteiro de Luiz Noronha e Leandro Soares se apoia na maior parte do tempo. Há até algo a que Paulo Gustavo se refere como "traminha" —envolvendo Dona Jô e a tentativa de um golpe em cima dela, mas é mera desculpa para alongar até a marca de 90 e poucos minutos.

Na Zona Sul, Jéssica (Samanta Schmutz) tentará se envolver com um famoso —o ator Klebber Toledo, interpretando a si mesmo— e ficar rica e famosa, sem dar bola para seu namorado Máicol (Emiliano D'Avila). Este é consolado por Velna (Fiorella Mattheis), outra moradora da pensão, que também se instala na cobertura, junto com Terezinha (Cacau Protásio), que se diz viúva de bicheiro, e Ferdinando (Marcus Majella), transformista e concierge, nas palavras dele, da pensão.

As piadas do filme são basicamente Valdo ofendendo Terezinha —chamando-a de "gorda", "baleia" etc — e Ferdinando. Sobra então a "traminha" policial, na qual o eletricista Wilson (Fernando Caruso) disputa a atenção de Dona Jô com um novo vizinho, Quaresma (Werner Schünemann), e o protagonista tenta fugir do síndico do prédio, Brito (Oscar Magrini).

"Vai que Cola - O Filme" é pouco mais de uma hora e meia de pura gritaria parece que a graça aqui equivale a um histrionismo nas interpretações. É um tipo de humor anacrônico, que pretende fazer rir literalmente pelo grito, e raramente funciona.

Reciclando, na televisão, um formato parecido com o do falecido "Sai de Baixo", o programa contava com o público, que trazia, se não algum frescor, ao menos, algum vigor de ter uma plateia ao vivo. No cinema, perde-se isso, e o que sobra são as piadas ultrapassadas e desprovidas de qualquer sagacidade. Enfim, nada que após uma pesquisa no YouTube não ofereça opções melhores.

ASSISTA AO TRAILER DO FILME

*As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
Topo