Filmes e séries

Marcas famosas investem milhões de dólares de publicidade em "Spectre"

Jane Witherspoon e Michael Roddy

Em Londres (Inglaterra)

27/10/2015 11h51

James Bond está de volta, e empresas como os relógios Omega, os barbeadores Gillette e a vodca Belvedere pagaram somas desconhecidas para vincular seus produtos a "007 contra Spectre", em acordos que um especialista em marketing disse serem a versão cinematográfica das Olimpíadas.

Os acordos permitem às empresas exibir propagandas com Bond, como Gillette e Heineken já estão fazendo, ou realizar festas regadas a bebidas --no caso, martínis Belvedere, como a companhia planeja fazer na noite desta terça-feira (27) para comemorar a estreia britânica do filme.

"Não podemos revelar o custo exato da franquia, mas realmente fizemos um investimento significativo", confessou David Lette, diretor de marcas premium da Heineken britânica, à Reuters, acrescentando que tanto Bond quanto a Heineken têm "apelo global".

Para a Gillette, o patrocínio a Bond é uma novidade na mais nova aventura do agente, mas Kara Buckley, diretora associada de comunicações para produtos de cuidados pessoais da Procter & Gamble, proprietária da Gillette, afirmou ser uma maneira de ir além de sua costumeira divulgação em eventos esportivos.

"Descobrimos que o cinema é outra grande maneira de nos conectarmos com os homens, especialmente os mais jovens", disse ela à Reuters em uma festa de promoção da marca e de "Spectre" em Londres.

Jacques de Cock, consultor de marketing e conferencista da London School of Marketing, afirmou que a franquia Bond, que já tem meio século, é o equivalente cinematográfico das Olimpíadas, ainda que o investimento nos Jogos seja de bilhões de dólares, enquanto a quantia dedicada a 007 está na casa das dezenas de milhões.

"O marketing e o co-marketing das Olimpíadas são parecidos em termos de posicionamento da marca --em termos de renda, não", disse De Cock à Reuters. Ele estima que os filmes da série Bond tenham rendido cerca de US$ 16,9 bilhões --em valores atualizados-- nas bilheterias, e outros US$ 4 a 5 bilhões em marketing desde "007 contra o Satânico Doutor No", de 1962.

Embora as cifras não sejam divulgadas, ele disse que o marketing e as ações promocionais associadas a um filme atual de James Bond podem chegar de US$ 230 a 300 milhões, aproximadamente o custo de produzi-lo.

Trailer de "007 contra Spectre"

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo