Filmes e séries

Helen Mirren fala sobre papel em "Trumbo", Hollywood e mulheres

Kevin Winter/Getty Images
A atriz Helen Mirren posa com o diretor de "Trumbo", Taylor Hackford Imagem: Kevin Winter/Getty Images

Piya Sinha-Roy

De Los Angeles, EUA

05/11/2015 22h31

De rainha da Inglaterra a uma detetive durona e um punhado de agentes secretas impiedosas, a dama britânica Helen Mirren nunca foi uma mulher com quem se pode brincar, na tela ou fora dela.

Agora, a atriz vencedora do Oscar interpreta Hedda Hopper, uma notória colunista de fofocas de Hollywood, no drama "Trumbo", que entra em cartaz nos Estados Unidos na sexta-feira.

O filme trata da Lista Negra de Hollywood de 1947, quando dez roteiristas e diretores, incluindo Dalton Trumbo (papel de Bryan Cranston), foram banidos e em alguns casos presos pelas suas associações com o Partido Comunista.

Helen Mirren, de 70 anos, falou à Reuters sobre Hedda Hopper e sobre como as mulheres em Hollywood precisam ser menos educadas.

O que te levou a fazer Hedda Hooper?

Eu achei que o poder e aquela voracidade e aquela crueldade e a falta de vergonha disso - há jornalistas mulheres que até hoje mostram tipo de espírito similar. Há um certo tipo de mulher que toma um certo tipo de caminho no jornalismo.

Ela é realmente a vilã da história, trazendo a mentalidade enfurecida contra os comunistas de Hollywood. Como você entende as razões dela?

Hedda estava bem no centro de como pensava a ampla maioria dos norte-americanos. Ela não era uma anomalia ou uma figura cult. Ela não era o Tea Party, ou algo marginal, ela estava bem onde as pessoas estavam, saindo da Segunda Guerra Mundial, e ela entendia esse público muito bem.

Mas ela usou o poder dela para manipular?

Ela realmente sentiu que estava sendo patriota, assim como John Wayne.

Você sempre se preocupa bastante com o papel da mulher? Há uma mudança ocorrendo agora para as mulheres no cinema?

Eu digo isso desde quando eu tinha 25 - prestando atenção na mudança no papel da mulher na vida, e, assim como a noite segue o dia na minha profissão, na TV, teatro, filmes, os papéis da mulher vão mudar, e isso absolutamente aconteceu. Finalmente, levou muito tempo.

Eu acho que os escritores estão apenas começando a entender, e eu sempre disse, é fácil escrever um papel feminino. Basta escrever um papel masculino e colocar um nome de mulher, e, claro, eles estão fazendo isso agora, finalmente.

O que você achou do texto de Jennifer Lawrence sobre as diferenças salariais entre gêneros em Hollywood, e como a mulher deve ser confiante para pedir mais?

Eu achei fabuloso. Amei. Foi muito pessoal, e ela está certa. Nós somos muito educadas como mulheres.

 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
Topo