Cinema

Aos 75 anos, projecionista português teme ser o último do cinema itinerante

De Monforte (Portugal)

Traços do clássico ganhador do Oscar "Cinema Paradiso" permeiam a vida de Antônio Feliciano, um energético senhor de 75 anos, que teme ser o último projecionista do cinema itinerante em Portugal.

"Se não sou o último, estou perto disso", disse Feliciano. "Esse é um legado que vai acabar. Quando eu me for, o cinema itinerante será mencionado em artigos, mas apenas como uma memória", lamenta.

Depois de seis décadas viajando quatro milhões de quilômetros para exibir 4 mil filmes em aldeias distantes de Portugal, Feliciano ainda não tem planos de se aposentar. Mas está conformado com o fato de que os monopólios de Internet, TV e distribuição digital tornaram seu ofício obsoleto.

Reprodução
Cena do clássico "Cinema Paradiso", de 88 imagem: Reprodução

Como Totó, o menino que faz amizade com o projecionista Alfredo no filme italiano, sucesso em 1988, Feliciano também começou ainda jovem, na década de 1950, ajudando um projecionista itinerante a anunciar a programação do fim de semana em um alto-falante em sua aldeia na parte rural do Alentejo.

O negócio cresceu e já na adolescência ele pegou a estrada, ajudando a projetar filmes em salas de música e arenas de touradas. Isso o levou a uma carreira que até mesmo a necessidade de ganhar a vida como contador não interrompeu, pois ele combinou as semanas em um escritório de Lisboa com exibições de fim de semana.

A cerca de 200 quilômetros de Lisboa, a montanhosa Monforte é uma aldeia típica do Alentejo - pitoresca, mas sonolenta - com a população reduzida a 3 mil pessoas por causa de problemas econômicos e da migração.

Artemísio Pecas, filho do projetista, conta que "antes do filme, eles apresentavam o noticiário, e era no cinema que as pessoas viam Lisboa, as colônias, e mesmo o mar, pela primeira vez".

Em um domingo ensolarado, no entanto, a aldeia se anima quando Feliciano está para exibir um filme em homenagem a Domingos Pecas, um projetista local que morreu em 2005, depois de 50 anos na atividade.

"Nosso entretenimento era o cinema itinerante. Não tínhamos mais nada, nem TV, nem rádio. Éramos muito pobres", disse a moradora Nazaré Alfaia, de 71 anos. "Não sei ler, por isso não me lembro dos nomes dos filmes, mas eram aventuras, vaqueiros e cavalos", acrescentou, cercada por uma coleção de projetores antigos de Feliciano e cartazes desbotados de westerns e musicais.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo