ESTREIA-Série "Jogos Vorazes" chega ao fim sem empolgar

SÃO PAULO (Reuters) - Filme após filme, a série "Jogos Vorazes" lidou com temas complexos ? às vezes de maneira branda, às vezes, com a devida seriedade. E Katniss Everdeen (Jennifer Lawrence) em sua saga foi ao inferno e voltou com vontade e força para acabar com o sistema do mundo destruído onde mora com sua família.

O que começou com um jogo de vida e morte, sacrificando jovens, aprofundou-se numa discussão sobre a sociedade do espetáculo e formas de opressão e poder.

A nota errada, no entanto, neste último filme da série, "Jogos Vorazes: A Esperança - O Final" ? que tem estreia antecipada no Brasil para quarta-feira, dois dias antes da estreia norte-americana - já fora dada em seu antecessor, "Jogos Vorazes: A Esperança - Parte 1" (2014): a decisão equivocada de dividir em dois filmes o último romance da trilogia de Suzanne Collins.

O livro é o mais fraco do conjunto e, conforme foi adaptado, guarda toda a ação importante para este último longa ? o que o torna, em alguns momentos, um tanto apressado, ao contrário dos dois primeiros filmes da série, de 2012 e 2013.

A trama começa com o reencontro entre Katniss e Peeta (Josh Hutcherson), que ficou praticamente todo o filme anterior sob o controle do presidente Snow (Donald Sutherland), responsável por uma lavagem cerebral na mente do rapaz, que agora parece programado para matar a heroína.

Ela, por sua vez, une-se à resistência ? agora que Panem está um caos ?, apoiando a presidente Alma Coin (Julianne Moore) para se livrar de Snow. O que está em disputa, no entanto, não é a disputa pelo poder, mas pela mídia.

O roteiro, que também é creditado à autora, junto com Peter Craig e Danny Strong, se concentra na manipulação da sociedade do espetáculo para a construção de uma figura forte o suficiente para comandar as massas.

Katniss surge, então, como uma Joana D'Arc do mundo distópico que, com seu carisma, consegue atingir corações e mentes. Pode haver, porém, um conflito de interesses: suas intenções estão alinhadas com as pessoas que a "fabricaram"?

O diretor responsável pelos três últimos filmes, Francis Lawrence, sabe que este é um longa sobre o espetáculo, e transforma seu filme num show de violência e explosões com momentos de certa ternura ? especialmente envolvendo Katniss e Peeta, cujas idas e vindas românticas sempre tocaram uma nota de ambiguidade de ambos os lados.

Cenas de destruição e caos, no entanto, são o forte do filme, que só ganha ritmo quando elas começam.

No primeiro filme, Katniss era uma garota corajosa, mas assustada. Sua inteligência e capacidade de perceber sua própria importância no jogo midiático/político até agora salvou sua vida.

No primeiro "Jogos Vorazes", ela mostrou que viva valia mais do que morta, afinal, o show prosseguiria. Seu coração se dividia entre Peeta, seu parceiro na competição, e Gale (Liam Hemsworth), que parecia ser o grande amor de sua vida. Existe, no entanto, espaço para o amor sincero nesse mundo destruído? Ou esse tipo de laço deve responder apenas a interesses, ou, no mínimo, à sobrevivência?

Sentimentalizar, aliás, está longe deste último filme. Seus personagens, em sua maioria, são jovens sofrendo de estresse pós-traumático, dadas as condições de guerra que estão enfrentando. Nesse sentido, é emblemática a personagem Johanna Mason (Jena Malone), a mais rebelde entre os rebeldes, e que nunca comprou muito a ideia de Katniss como a cara da revolução.

A questão final se torna exatamente essa: quais os limites da revolução? Os rebeldes podem ser domesticados? A resolução conservadora do filme pode ser uma evidência disso, tornando este capítulo final um tanto decepcionante.

(Reportagem de Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

UOL Cursos Online

Todos os cursos