Filmes e séries

Novo livro sobre Charlie Chaplin resgata histórias da produção de filmes

25/11/2015 14h23

Por Michael Roddy

LONDRES (Reuters) - Charlie Chaplin disse uma vez que tudo que alguém precisava para fazer um filme engraçado era "um parque, um policial e uma menina bonita".

Em "Arquivos de Chaplin", um livro robusto definido pelo autor como um "tributo de alta definição ao lendário ator cômico e cineasta”, é possível ver uma dessas mulheres –entre as quatro com quem Chaplin se casou ao longo de seus 88 anos– na reluzente foto de Paulette Goddard, em preto-e-branco, de enorme tamanho, com um punhado de bananas roubadas, de "Tempos Modernos".

Produzido pela editora especializada alemã Taschen Books, o livro de 560 páginas, pesando sete quilos e com as dimensões de um pequeno aparelho de televisão, dificilmente pode ser lido na cama, e sobrecarrega muitas mesas de centro.

Mas cumpre o que o escritor inglês Paul Duncan diz ser seu objetivo: recriar a carreira de Chaplin em ordem cronológica, para marcar o centenário do início daquele inglês pobre no teatro até chegar ao cinema, quando abandonou uma turnê de uma companhia de teatro nos Estados Unidos.

Na página 47 está reproduzido o primeiro contrato de cinema de Chaplin, com a Keystone, datado de 25 de setembro de 1913, para o qual Chaplin ganhou a soma então principesca de 150 dólares por semana.

O resto, como sabe quem tem um olho para a grande produção de cinema e filmes engraçados, é história.

Sua obra incluiu clássicos silenciosos do pastelão como "Luzes da Cidade" e "Tempos Modernos", antes de aderir ao som com a sátira política em "O Grande Ditador" e a comédia de humor negro, incluindo "Monsieur Verdoux".

"O que eu queria fazer era torná-lo uma história oral, por isso, quando você lê o livro, são realmente Chaplin e seus colaboradores que falam, você está lendo sobre os acontecimentos de sua vida e como ele fez seus filmes", disse Duncan à Reuters em uma entrevista.

Com o acesso concedido aos arquivos da família Chaplin, e ajuda da Cineteca di Bologna, com filmes restaurados, Duncan disse que, embora tenha havido inúmeros livros sobre Chaplin ao longo dos anos, este é diferente.

"Ele sempre foi tão reservado e manteve as coisas em segredo, e eu queria contar essa história, a história de como ele fez os filmes", disse Duncan.

Chaplin morreu em 1977 e fez dez anos antes o seu último filme, "A Condessa de Hong Kong", estrelado por Sophia Loren e Marlon Brando.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo