Filmes e séries

ESTREIA-Comédia "Bem Casados" não sai da zona de conforto

02/12/2015 16h31

SÃO PAULO (Reuters) - “Bem Casados”, de Aluizio Abranches (“Do Começo ao Fim”), segue, basicamente, o esquema já decantado das comédias brasileiras de sucesso. Roteirizado por Fernando São Thiago, que também atua no filme, o longa conta uma história previsível sem qualquer risco, com um elenco com rostos famosos da televisão e piadas eventualmente engraçadas.

Aqui, o protagonista é Alexandre Borges, no papel de Heitor, dono de uma agência que filma e fotografa casamentos. O longa começa com ele aplicando sua cantada-padrão a uma convidada de uma festa onde está trabalhando. Na manhã seguinte, depois de passarem a noite juntos, ele vai embora sem muita explicação.

Logo conhece Penélope (Camila Morgado), que pretende acabar com o casamento de seu ex-amante (João Gabriel Vasconcellos) antes que o rapaz chegue ao altar. Para isso, infiltra-se no chá de cozinha da noiva (Luiza Mariani), mas logo é chantageada pela mãe do noivo (Rosi Campos).

Expulsa da casa do amante e proibida de ir ao casamento, Penélope tenta integrar a equipe de Heitor, e, assim, entrar no casamento e reconquistar o amado. Segue, então, a rotina típica do gênero: a moça vive às turras com Heitor, embora o público perceba, desde o começo, que foram feitos um para o outro. Ela irá mudar a vida dele: o sujeito é viciado em remédios, vive estressado e infeliz. Ela, apesar de ser um furacão e descentrada, traz um pouco da empolgação que faltava à vida dele.

Os opostos também se atraem – existe algo mais clichê numa comédia romântica do que isso? – na equipe de Heitor. De um lado, Alice (Bianca Comparato), tímida e turrona, e de outro, Fernando (São Thiago), um garçom que tem talento para fotografia, a quem ela deve ensinar o trabalho.

Camila Morgado, como sua personagem, é um furacão que rouba o filme para si e garante alguns dos bons momentos com sua personagem inconsequente e desbocada. Suas melhores cenas acontecem com a atriz Letícia Lima (mais conhecida pelo seu trabalho no humorístico “Porta dos Fundos”). Naturalmente engraçada, Letícia tem poucas cenas e aparece no meio do filme sem muitas explicações - e sai da mesma forma, depois de uma participação breve e marcante, fazendo sua entrada parecer mais uma medida emergencial para elevar o humor do filme.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Topo