UOL Entretenimento Cinema
 

Ficha completa do filme

Aventura

Piratas do Caribe - O Baú da Morte (2006)

Resenha por Rubens Ewald Filho

Rubens Ewald Filho

Especial para o UOL Cinema 05/12/2006
Nota 1

Nem mesmo os mais otimistas esperavam que este segundo "Piratas do Caribe" fosse um sucesso tão espetacular nos Estados Unidos que derrubou o "Superman - O Retorno" e se tornou o blockbuster do verão de 2006. Ainda mais porque a crítica fez algumas restrições ao filme, que tem bastante violência, sendo quase uma aventura de terror.

Rodado simultaneamente com a terceira parte ("At Worlds End", prevista para estrear em maio), o filme reúne basicamente a mesma equipe do primeiro, incluindo o ator Geoffrey Rush, que não aparece nos letreiros. Os defeitos desta seqüência são claros: por vezes fica arrastada e resultou longa demais. É excessivamente violenta para o que pretende e muita gente, depois de assisti-la, ficará um bom tempo sem querer comer mariscos ou crustáceos, porque os piratas-fantasmas do grupo de Davy Jones, o Holandês Voador, ficam todos recobertos de ostras e coisas semelhantes, parecendo mais personagens do "Bob Esponja".

Mesmo assim, muitas cenas são espetaculares, há um vilão memorável (Davy tem um impressionante rosto de polvo) e não falta senso de humor. A mocinha interpretada por Keira Knightley faz pouca coisa para seu atual status de estrela, mas seu par, Orlando Bloom, participa das duas cenas de ação com rodas, ambas memoráveis.

Naturalmente o show continua a ser de Depp como o capitão Jack Sparrow, que agora tenta fugir de uma dívida de morte com o Davy Jones, ao mesmo tempo que tenta impedir a destruição de seu amado navio, a Pérola Negra. Novamente cheio de trejeitos, Depp no entanto não exagera na caricatura, conseguindo manter a dubiedade moral que torna o personagem tão interessante. Outra coisa boa: o elenco de apoio.

Ou seja, este meio de trilogia cumpre sua função: é divertido, tem momentos empolgantes, brilha com a direção de arte e os efeitos especiais e sem dúvida continua a fazer propaganda aberta da atração da Disney World que o inspirou (reformada agora para incluir cenas que imitam o filme). É uma sinergia empresarial que ainda vai render muitos milhões.

Compartilhe:

    Siga UOL Cinema

    Sites e Revistas

    Arquivo