UOL Entretenimento Cinema
 
21/10/2008 - 15h14

Documentário investiga a permanência do cineasta Andrei Tarkovsky

NEUSA BARBOSA
Especial para o UOL

Divulgação
Dmitry Trakovsky faz sua estréia como cineasta com o documentário "Conhecendo Andrei Tarkovsky"
O plano do estudante Dmitry Trakovsky, russo emigrado para aos EUA aos 2 anos, com seus pais, era estudar Medicina. Na própria universidade, na Califórnia, porém, o cinema desviou-o desse caminho. Ele acabou estreando como cineasta com o documentário "Conhecendo Andrei Tarkovsky", que tem sua première mundial na 32ª. Mostra Internacional de Cinema.


As coincidências foram muitas até chegar ao filme, a começar pelo sobrenome do jovem cineasta, quase igual ao de seu ídolo, Andrei Tarkovsky (1932-1986), prestigiado diretor de "Solaris" (72), "Stalker" (79) e "O Sacrifício" (86).


Mesmo estudando Medicina, o jovem Trakovsky organizava as "Terças Tarkovsky", com sessões do filme do diretor russo, na Universidade da Califórnia. Daí, foi muito natural que o diretor morto em 1986 se tornasse o tema de um projeto audiovisual que o rapaz deveria realizar para a disciplina de História da Arte, um dos cursos que fazia. "Nas universidades americanas, é comum que, nos primeiros anos, você faça cursos assim, completamente diferentes, um pouco de cada coisa", explica Dmitry.


O próximo passo foi obter uma pequena verba e viajar para a Itália. Nessa altura, ele ainda pensava em fazer Medicina. Mas, no país em que Tarkovsky filmou "Nostalgia", o jovem diretor foi cada vez mais sendo envolvido pela paixão pelo cinema.


Ao voltar para os EUA para o Natal, Dmitry fez uma viagem com seu pai a um mosteiro ortodoxo. Lá, por acaso, conheceu um jovem monge que havia se tornado religioso por influência dos filmes de Tarkovsky e que se tornou um dos personagens mais curiosos de seu documentário.


Uma ajuda fundamental para a construção do filme veio do montador polonês Michal Leszczylowski, que editou "O Sacrifício". Dmitry foi à Suécia, onde ele vive, para entrevistá-lo e ele se tornou seu mentor. Leszczylowski pedia ao jovem diretor que lhe enviasse seus escritos sobre o filme, bem como o material filmado. A partir daí, orientou-o sobre rumos a seguir e colaborou na montagem. "Ele era a única pessoa do mundo que poderia me guiar assim e o fez. Sou muito grato", diz.
Na Suécia, Trakovsky teve a sorte de ainda colher o depoimento do ator Erland Josephson, que atuou em "Nostalgia" e "O Sacrifício" e que guardou uma série de fotos do set destes dois filmes.


Outro depoimento de peso é do cineasta polonês Krzystof Zanussi, que foi grande amigo de Tarkovsky e recorda a peculiar espiritualidade do diretor. "Sempre que lembrarem de mim, lembrem que sou um pecador", dizia Tarkovsky a Zanussi.


Hoje, a partir das 16h, Dmitry participa de um debate sobre o seu filme, no Clube da Mostra, que este ano é no Anexo do Espaço Unibanco, na rua Augusta, 1475, na sala 4. Os interessados devem retirar seus ingressos gratuitamente uma hora antes.





CONHECENDO ANDREI TARKOVSKY (Meeting Andrei Tarkovsky), de Dmitry Trakovsky. EUA, Suécia, Rússia, Itália. Falado em inglês, russo, italiano. Legendas em inglês. Legendas eletrônicas em português. Livre.
CINEMATECA - SALA PETROBRAS - 21/10/2008 - 18h20 - Sessão: 394 (Terça)
UNIBANCO ARTEPLEX 4 - 24/10/2008 - 19H30 - Sessão: 655 (Sexta)

Compartilhe:

    Siga UOL Cinema

    Sites e Revistas

    Arquivo

    Hospedagem: UOL Host