UOL Entretenimento Cinema
 
07/02/2010 - 07h00

Lina Chamie prepara projeto para filmar a São Silvestre ''por dentro''

NEUSA BARBOSA
Especial para o UOL, do Cineweb
  • Moacyr Lopes Junior/Folha Imagem

    O ator Marco Ricca e a diretora Lina Chamie conversam nos bastidores das gravações do longa-metragem "A Via Láctea"

  • Divulgação

    Os atores Marco Ricca e Alice Braga em cena do filme "A Via Láctea"

Moradora de um prédio que fica bem ao lado do pódio da mais importante prova de atletismo de rua do Brasil, a São Silvestre, na avenida Paulista, a cineasta Lina Chamie (“A Via Láctea”) várias vezes acompanhou de perto as emoções dos milhares de participantes que acabaram de vencer o árduo percurso de 15 km – ou serem vencidos por ele.

As imagens que ficaram em sua cabeça sobre a competição acabaram dando-lhe a ideia de fazer um filme, misto de documentário e ficção, que ela procura viabilizar neste momento. Em entrevista ao UOL Cinema, a diretora conta que sua intenção é colocar neste filme a “visão do corredor”, ou seja, colar uma câmera ao corpo de seu protagonista, que ela imagina atleta e mulher, neste primeiro momento. “Meu plano é ter uma ‘câmera-alma’ que mostre como é estar lá dentro da corrida”, descreve.

Outro atrativo do projeto é, como ela lembra, que a São Silvestre, apesar de ser uma prova antiga (foi criada em 1925) e famosa, nunca foi objeto de um filme. “Em ‘São Paulo S.A.’ (de Luiz Sergio Person), passava um trechinho dela, quando ainda era à noite”, recorda. A corrida passou a ser diurna em 1989.

Lina, que é esgrimista e participou de competições nessa modalidade no passado, é apaixonada por esportes. Para ela, o principal atrativo está no exercício de superação por trás dos torneios esportivos. “Me interessa o que empurra, o que leva alguém a procurar vencer, superar seus limites”.

Ela ainda não tem seu protagonista escolhido, mas sua intenção é que seja uma atleta, mulher e de ponta, capaz de vencer o percurso em aproximadamente 50 minutos – tempo equivalente ao gasto pelas mulheres que venceram as últimas provas, como a queniana Pasalia Kipkoech Chepkoir, em 2009, e as brasileiras Lucélia Peres e Maria Zeferina Baldaia, vitoriosas respectivamente em 2006 e 2001.

Mas já está decidido que o filme, ainda sem título definitivo, vai transitar entre o documentário e a ficção. Em termos ideais, Lina gostaria de começar a trabalhar no projeto nos próximos dois meses, já que em abril tem início o calendário de provas esportivas de que participam todos os atletas de olho na São Silvestre, com a intenção de treinar para a grande prova do dia 31 de dezembro.

A cineasta gostaria de, a partir de agora, começar a acompanhar sua atleta “e ver que material surge”. Dependendo do que ocorrer, os próprios pensamentos e expectativas dessa pessoa poderão ser usados no filme. Ou então isso será suprido por um roteiro ficcional, que Lina vai desenvolver.

Como o projeto ainda está em aberto, a diretora acredita que poderão entrar também fantasias do personagem e mesmo histórias sobre os lugares que fazem parte do percurso da São Silvestre – entre eles, o Teatro Municipal, o MASP, o Minhocão e a avenida Brigadeiro Luiz Antônio, todos pontos-chaves da paisagem paulistana. O ponto alto estará na própria corrida, que será acompanhada por várias câmeras, colocadas estrategicamente ao longo do caminho, além daquela carregada junto ao corpo do protagonista.

O projeto ainda não tem orçamento fechado, mas Lina acredita que “não seja caro”. “Tudo depende também dos parceiros e dos apoios que se conseguir”, pondera.

Paralelamente, Lina vai desenvolver o roteiro de seu terceiro filme de ficção, “Os Amigos”, que ela gostaria de filmar em 2011, caso consiga captar os recursos necessários. Como aconteceu em “A Via Láctea”, mais uma vez o protagonista aqui será o ator Marco Ricca, vivendo um homem maduro que passa um dia particularmente dramático de sua vida.
 

Compartilhe:

    Siga UOL Cinema

    Sites e Revistas

    Arquivo

    Hospedagem: UOL Host