31/08/2011 - 07h00

Festival de Veneza traz filmes brasileiros em sessões paralelas

NEUSA BARBOSA
Do Cineweb
Veja os selecionados do Festival de Veneza 2011
Veja Álbum de fotos

O ano de 2011 está tendo, até agora, uma boa safra nos grandes festivais. Se Cannes viveu uma de suas melhores edições em maio, Veneza, que começa no próximo dia 31 de agosto, não fica atrás. O festival italiano, o mais antigo do mundo – criado em pleno fascismo, em 1932 -, conseguiu conquistar, para a sua competição ao Leão de Ouro, vários grandes nomes – caso do canadense David Cronenberg, com "A Dangerous Method"; do franco-polonês Roman Polanski e seu "Carnage" (com Jodie Foster e Kate Winslet); e dos americanos Todd Solondz ("Dark Horse"), William Friedkin ("Killer Joe") e o bad boy Abel Ferrara, com "4:44 Last Day on Earth".

O filme de abertura, de e com George Clooney, "The Ides of March", estará também na competição, da mesma forma que ocorreu no ano passado com o filme de abertura, "Cisne Negro", de Darren Aronofsky.

  • Divulgação

    Cena de "Girimunho", filme de Helvécio Marins

Não há nenhum brasileiro concorrendo na sessão principal. Só foram confirmados dois filmes brasileiros em sessões paralelas: o "docudrama" "Girimunho", dos estreantes Helvécio Marins e Clarissa Campolina (MG), na sessão Horizontes – que tem prêmio próprio –, e "Histórias que só existem quando lembradas", primeira ficção de Julia Murat (RJ), na mostra "Giornate degli autori". "Girimunho", aliás, está confirmado também em outros dois festivais internacionais, Toronto e San Sebastián.

A presença latino-americana, mais uma vez, é reduzida em todas as sessões, mesmo as paralelas. Outra rara exceção é o novo filme do veterano argentino Fernando Solanas, que apresenta na mesma Giornate degli Autori o documentário "Oro Negro" – segunda parte do díptico iniciado em 2004 com "Memória do Saqueio", que retrata os desastres das políticas econômicas de sucessivos governos de seu país.

Celebridades

Mesmo fora da competição, prometem atrair grande atenção o romântico "W.E.", segunda incursão da pop star Madonna na direção, com Abbie Cornish ("Sucker Punch – Mundo Surreal"), e o terror "Contágio", de Steven Soderberg, que tem no elenco Matt Damon, Kate Winslet, Jude Law e Marion Cotillard.
Outra celebridade presente será o ator norte-americano Al Pacino que, além de receber um prêmio especial, "Glória ao Cineasta", mostrará seu novo trabalho como diretor, "Wilde Salome", sua visão da peça "Salomé", de Oscar Wilde.

Promete ser um dos momentos mais emocionantes deste festival a entrega do Leão de Ouro de carreira ao diretor Marco Bellocchio ("Bom dia, noite") por outro monstro sagrado do cinema italiano, Bernardo Bertolucci – que vem sofrendo há anos de sérios problemas de saúde, especialmente na coluna.

Predomínio yankee

Repetem-se algumas tendências de 2010, como a predominância dos concorrentes norte-americanos ao Leão de Ouro (seis filmes), além de quatro concorrentes italianos - entre eles, dois fortes nomes, Emanuele Crialese, que já venceu prêmio de diretor revelação em Veneza em 2006 com "Novo Mundo", e agora compete com "Terraferma", e Cristina Comencini, apresentando "Quando la notte", com Filippo Timi (de "Vincere").

Outros dois fortes competidores têm passaporte francês: "Un Eté brulant", de Philippe Garrell ("Amantes Constantes"), uma coprodução com a Itália e tendo no elenco Monica Bellucci e o filho do diretor, Louis Garrell ("Os sonhadores"); e a dupla Marjane Satrapi e Vincent Paronnaud, diretores do desenho animado "Persépolis", agora conduzindo o drama "Poulet aux prunes", baseado na graphic novel da própria Marjane, "Frango com ameixas", já publicada no Brasil. No elenco, nomes do primeiro time, como Mathieu Amalric, Chiara Mastroianni e Isabella Rossellini.

Tal como ocorreu em 2010, é pequeno o contingente asiático, com apenas quatro concorrentes do continente, entre eles o japonês Sion Sono (de "Clube do Suicídio", lançado em DVD), trazendo outro drama, "Himizu"; e um habituê do festival, Johnnie To, agora com "Life without principle", que foi o 22º título adicionado à competição, em que ainda se promete incluir um filme-surpresa, como tem sido tradição na administração Marco Müller, diretor do festival desde 2004.

O cinema de arte poderá comemorar a volta à ativa do celebrado cineasta russo Alexander Sokurov ("Arca Russa"), apresentando seu longamente aguardado drama "Fausto", com a atriz alemã Hanna Schygulla. 

Veneza também conseguiu, neste ano, seduzir dois britânicos anteriormente premiados no Festival de Cannes para completar sua lista de concorrentes ao Leão de Ouro: Steve McQueen (diretor de "Hunger", vencedor do Caméra d’or em Cannes 2008, inédito em circuito comercial no Brasil), agora mostrando "Shame", novamente com o ator Michael Fassbender ("Bastardos Inglórios"); e Andrea Arnold, duas vezes premiada em Cannes (por "Marcas da vida" e Fish Tank", em 2006 e 2009, respectivamente), competindo com "Wuthering Heights", uma adaptação do clássico "O Morro dos Ventos Uivantes", de Emily Bronte, com um ator negro, James Howson, no papel do protagonista, Heathcliff.

Abaixo, a lista completa da competição:

"The Ides of March", de George Clooney (EUA) – filme de abertura
"Tinker, Tailor, Soldier, de Spy", Tomas Alfredson (Itália)
"Wuthering Heights", de Andrea Arnold (Inglaterra)
"Texas Killing Fields", de Ami Canaan Mann (EUA)
"A Dangerous Method", de David Cronenberg (Alemanha/Canadá)
"4:44 Last Day on Earth", de Abel Ferrara (EUA)
"Killer Joe", de William Friedkin (EUA)
"The Exchange", de Eran Kolirin (Israel/Alemanha)
"Alps", de Yorgos Lanthimos (Grécia)
"Shame", de Steve McQueen (Inglaterra)
"Carnage", de Roman Polanski (França/Alemanha/Polônia)
"Poulet aux Prunes", de Marjane Satrapi, Vincent Paronnaud (França/Bélgica/Alemanha)
"Un Été Brulant", de Philippe Garrel (França/Itália)
"A Simple Life", de Ann Hui (China, Hong-Kong)
"Faust", de Aleksander Sokurov (Rússia)
"Dark Horse", de Todd Solondz (EUA)
"Himizu", de Sion Sono (Japão)
"Seediq Bale", de Wei Desheng (Taiwan)
"Quando la Notte", de Cristina Comencini (Itália)
"Terraferma", de Emanuele Crialese (Itália)
"L'Ultimo Terrestre", de Gipi (Itália)
"Life without principle", de Johnnie To (China)

Filme de encerramento:
"Damsels in Distress", de Whit Stillman (EUA)