16/02/2012 - 19h00

Atores mirins de "A Invenção de Hugo Cabret" contam que Scorsese passava listas de filmes para assistirem como lição de casa

Pedro Caiado
Do UOL, em Londres
  • Os atores Asa Butterfield e Chloë Moretz em cena de "A Invenção de Hugo Cabret", de Martin Scorsese

    Os atores Asa Butterfield e Chloë Moretz em cena de "A Invenção de Hugo Cabret", de Martin Scorsese

O novo filme de Martin Scorsese, que estreia nesta sexta-feira (17) nos cinemas de todo o Brasil, não lembra em nada o estilo de um clássico filme do lendário diretor. Esqueça a violência insana em longas como “Cassino”, “Taxi Driver” ou “Gangues de Nova York”. A história de “A Invenção de Hugo Cabret” (baseado no livro homônimo de Brian Selznick, de 2007) é família e apropriada para todas as idades. Scorsese reúne um elenco de peso, que inclui Ben Kingsley (“Príncipe Da Pérsia - As Areias Do Tempo”), Sacha Baron Cohen (“Brüno”), Jude Law (“Sherlock Holmes: O Jogo de Sombras”) e Christopher Lee (“Caça às Bruxas”). Porém, a aposta para transmitir toda a magia de “Hugo”, está no londrino Asa Butterfield e na norte-americana Chloë Moretz, de 14 e 15 anos, respectivamente. Durante rodada de entrevistas em Londres, a dupla se mostrou muito madura ao conversar com os jornalistas do mundo inteiro em um quarto do Hotel Dorchester. “Eu gosto de falar com jornalistas”, diz o sorridente Asa.


Novas caras
Se você não reconhece o rosto de Asa Butterfield ainda, não se preocupe, pois irá em breve. Além de “Hugo”, Asa será o protagonista de uma nova adaptação literária para o cinema em 2013 chamada “Ender’s Game”, da Summit Enterteinment - a mesma produtora que trouxe “Crepúsculo” para a tela grande. Em “Hugo”, Asa foi escalado após longo processo de testes de elenco, assim como Chloë. “Eram inúmeras crianças fazendo testes para o papel. Nós dois enviamos fitas para o diretor de elenco e depois, quando eles filtraram apenas dois candidatos, Scorsese pediu que eu fosse a Nova York para realizar um teste na frente dele. Depois de alguns dias eu ganhei o papel”, conta o ator, acrescentando que apesar de ter visto alguns dos filmes de Scorsese, não sabia muito sobre o diretor. “Eu fiquei nervoso em encontrá-lo pela primeira vez, porque ele é Martin Scorsese! Mas foi muito legal. Ele nos fez ficar muito relaxados, e até se apresentou no início - ‘Olá, sou Martin Scorsese’”, diz Asa.

Colegas veteranos
Indagados sobre a filmografia de Scorsese, claramente não recomendada para menores de 18, os dois foram categóricos. “Nós assistimos ‘O Aviador’, ‘Os Infiltrados’ e ‘Ilha do Medo’.” Entretanto, Chloë, que já participou de filmes violentos, como “Deixe-me Entrar” e “Kick Ass - Quebrando Tudo”, confessa; “Eu também assisti ‘Touro Indomável’ e ‘Gangues de Nova York’ com tranquilidade. Mas um filme como ‘Taxi Driver’, por exemplo, acho mais difícil de digerir aos 14 anos. Talvez aos 15 ou 16”, diz a garota.
 
Indagada se seus pais a deixam assistir aos filmes que faz, Chloë é rápida na resposta. “Claro que sim! Eu assisto todos. Eu estava na pré-estreia dos filmes, portanto, claro que assisti”, diz ela, ponderando; “Minha mãe sempre me pede para discernir filmes da realidade e, exatamente por isso, eu acho que nossos pais permitem que trabalhemos como atores; porque nós entendemos essa diferença”, completa.

 
Conversar com Asa e Chloë certamente nos faz esquecer de que estamos falando com pré-adolescentes. Mas será que os jovens atores são maduros o suficiente para entender e sentir os personagens que interpretam? “Hugo é muito mais maduro que eu. Ele teve que crescer muito mais rápido que qualquer outra criança”, diz Asa. “Quando eu estava lendo o roteiro, eu gostei muito daquela parte sobre o propósito das pessoas na vida; Aquilo me fez refletir bastante. Eu concordo que ninguém vai encontrar propósito, é algo inconsciente”, comenta o ator.

Eu achava que ele era mais engraçado. Mas no set ele é bem sério

Asa Butterfield sobre trabalhar com o comediante Sacha Baron Cohen

 
Sacha Baron Cohen, o comediante por trás dos personagens Borat, Ali G e Bruno, interpreta um inspetor na estação de trens parisiense onde vive o órfão interpretado por Asa. Indagado se Sacha é mesmo engraçado fora do set, ele diz: “Trabalhar com Sacha foi ótimo, embora eu achasse que ele era mais engraçado. Quando você olha para ele, você lembra de tantos personagens, mas no set ele é bem serio. Um ator bem metódico, eu diria. Inspirador. Ajudou Chloë e eu a fazer o mesmo”.
 
A história de “A Invenção de Hugo Cabret” mistura a mágica com a inspiração que dá vida ao cinema, algo trazido pelo pioneiro cineasta francês, Georges Méliès (interpretado por Ben Kingsley). “Sabíamos muito pouco sobre Méliès. Sabíamos que ele era o pai do cinema, basicamente”, dizem Asa e Chloë. “Eu nunca tinha visto nenhum dos filmes, só algumas imagens famosas, como aquela da lua atingida por uma bala”, conta Asa, acrescentando que foi um prazer trabalhar com Ben Kingsley - o ator notoriamente manteve a formalidade e rigidez do personagem fora do set durante oito meses. “Ele foi um dos atores que mais me trouxeram inspiração; me deu várias dicas e conselhos”, diz o jovem. Asa interpreta um órfão, Hugo, de 12 anos, que vive secretamente em uma estação de trem parisiense enquanto tenta consertar um robô que seu pai (Jude Law) resgatara e começara a consertar antes de falecer. O robô, um homem mecânico, tem uma mensagem especial que os introduz ao mundo do cineasta francês Georges Méliès.

TRAILER DE "A INVENÇÃO DE HUGO CABRET"


Dever de casa
Os atores mirins confessam que Scorsese os deu muito dever de casa antes de gravar Hugo, “Foram vários filmes para assistir”, dizem. “Você conversa com Scorsese e no dia seguinte ele te manda uma caixa repleta de DVDs sobre os filmes que ele falou no dia anterior”, conta Chloë. Indagados se assistiram aos filmes, eles sorriem. “Tentamos assistir o máximo possível. Os melhores que ele nos enviou foram os do Akira Kurosawa”, conta Asa, empolgado. “’Os Sete Samurais’, ‘Yojimbo’... Tinha uma caixa  de filmes dele”. O diretor japonês É conhecido por filmes de samurais ultraviolentos. Quando perguntado se não achou o material um pouco pesado em comparação com filmes que está acostumado a assistir, Asa é categórico. “Hum... Eu acho que os filmes de hoje em dia são muito mais pesados que aqueles da década de 1930”, diz com firmeza. Chloë interrompe. “Era um pouco mais fantástico naquela época”.
 
“Hugo” tem orçamento de U$170 milhões. Será que os jovens atores sentem a pressão de participar de produções tão grandes? “Não, não, a atmosfera no set geralmente é muito boa. Você trabalha com aquela mesma equipe por vários meses, e todos ficam bem próximos. Você não sente muito a pressão porque ninguém te julga; todos estão tentando fazer o melhor trabalho”, conta Chloë. Asa acrescenta: “A experiência toda foi incrivelmente divertida, mas cansativa e longa. Nós filmamos em um estúdio superquente por oito meses e meio”.

Você conversa com Scorsese e no dia seguinte ele te manda uma caixa repleta de DVDs.

A atriz mirim Chloë Moretz sobre o "dever de casa" passado por Martin Scorsese

 
A vida de atores mirins pode não ser tão divertida como a de qualquer criança de 14 anos, mas Asa e Chloë afirmam que mantêm uma vida normal ao lado de todos os compromissos profissionais que incluem participar de uma grande produção. “Eu estudo de casa há cinco anos. Não vou à escola. É mais fácil. Porém, não tenho muitos amigos. Eu viajo muito também”, diz Chloë. Asa confessa: “Eu sei que este filme vai mudar minha vida; a maneira que as pessoas olham para mim. Mas eu não me importo”. “O melhor desta carreira é poder encontrar pessoas fascinantes”, defende ele, acrescentando que gosta de atividades “normais” para sua idade também, como videogame. Chloë vai além. “Eu adoro moda. Isso é o mais legal. Poder vestir roupas diferentes, marcas”, confessa a jovem com gostos bem maduros. “Quando estou com os amigos, minha mãe não me deixa comprar roupas de marca. Ela não acha que seja certo. Eu sou bem normal quando estou com os meus amigos. Nós dois somos”, defende a jovem atriz, que se tornou famosa no papel da herói boca-suja Hit-Girl, de “Kick Ass” (2010).
 
Quais papéis os jovens gostariam de interpretar futuramente? “Eu gostaria de ser James Bond. Uma versão mais jovem de Bond. Seria o máximo”, diz Asa, enquanto Chloë, animada, interrompe. “Eu quero ser a vilã! Eu gosto de papéis mais pesados”, conta a atriz que também estará no novo filme da dupla Tim Burton/Johnny Depp, “Dark Shadows”, com estreia prevista para maio.