23/04/2012 - 08h00

"Acho que ele é o melhor em tudo o que faz", diz Robert Downey Jr. sobre Homem de Ferro

Ana Maria Bahiana
Do UOL, em Los Angeles
  • Robert Downey Jr. no set de filmagens de "Os Vingadores"

    Robert Downey Jr. no set de filmagens de "Os Vingadores"

Robert Downey Jr. adora Tony Stark: "Eu sempre acho que ele é o melhor em tudo o que faz", diz, sem falsa modéstia em relação a seu personagem em "Os Vingadores". Mas Donwey não está sozinho: Joss Whedon, diretor e um dos roteiristas do filme, deve concordar, porque deu ao seu personagem as melhores falas do longa, com aquela dose certa de sarcasmo, ironia e enlouquecida autoconfiança que faz a delícia dos fãs. Curtindo uma "fase deliciosa" em sua vida --com o nascimento, em fevereiro, de seu filho Exton Elias e o sucesso do Homem de Ferro-- Downey diz ser "muito grato" a Tony Stark.

UOL - Qual seu super herói favorito?

ROBERT DOWNEY JR. - Entre "Os Vingadores"? Ou qualquer um? Não gosto de escolher favoritos porque todo mundo vai ler o que você vai escrever e aí eu vou ter que me explicar para um monte de gente... E os Vingadores funcionaram tão bem como um projeto porque todo mundo compareceu, deu o melhor de si, colaborou... Um pouco como uma companhia de teatro. Mas.. Ah, tá bom.. Gavião Arqueiro. Porque o Jeremy Renner é gente muito fina e porque o personagem é legal. Mas (rindo muito)... Eu sou meu próprio favorito, sempre...

UOL - Você que já interpretou o personagem tantas vezes sabe dizer por que o Tony Stark é tão desconfiado?

DOWNEY JR. - Possivelmente porque ele é muito poderoso. E porque já era um gênio milionário antes de ser o Homem de Ferro. Acho interessante o relacionamento de Tony Stark com Nick Fury --é quase como se Fury fosse um irmão mais velho, um tio. Alguém que está tentando tornar Tony mais consciente de seus deveres, e de um legado que ele ignorava. Isso aperta alguns botões no modo independente de ser de Tony Stark.

UOL - Se os Vingadores existissem mesmo, o que você acha que deveria ser vingado?

DOWNEY JR. - Ah... estou num momento tão doce e maravilhoso da minha vida que o conceito de "vingança" é algo muito estranho. Se você pensa no conceito de "vingança" você depreende que algum mal terrível, algum dano irreparável foi cometido. E aí temos que pensar em atrocidades, genocídio, crimes contra a humanidade.. e neste  momento não consigo nem pensar em coisas assim...

UOL - Por que você acha que, década após década, os super-heróis continuam fascinando o público?

DOWNEY JR. - Não sei, não sei mesmo. Para mim o fantástico é que, lá nos idos de 1968, Stan Lee tenha criado um personagem ao mesmo tempo tão acessível e tão extraordinário quanto Tony Stark. E eu tive a sorte de trazer esse personagem à vida, e ele não para de inspirar novas opções, novas perguntas. Ontem mesmo eu estava conversando sobre isso com Jon Favreau, já pensando no futuro do personagem... Os filmes do Homem de Ferro que fizemos juntos são uma combinação do gênio de Stan Lee, que nos deu o template perfeito, e desse diálogo entre eu e Jon, meu querido amigo há mais de cinco anos.

UOL - Você diria que o Homem de Ferro foi a virada de sua carreira?

DOWNEY JR. - Na verdade... Meu momento de grande sorte foi com um pequeno filme independente chamado "Kiss Kiss Bang Bang", escrito e dirigido por Shane Black. Ele foi para o festival de San Sebastian em 2005, um filmezinho delicioso, divertido... E Jon Favreau viu o filme no festival e ficou pensando que talvez, quem sabe, eu talvez pudesse ser Tony Stark... E agora que Shane Black vai dirigir o terceiro filme do Homem de Ferro o ciclo se completa... Não tenho palavras para dizer o quanto sou grato a esse personagem.