Os vencedores do 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro se reúnem no palco Teatro Nacional para o festejo final e a foto oficial (24/09/12)

Os vencedores do 45º Festival de Brasília do Cinema Brasileiro se reúnem no palco Teatro Nacional para o festejo final e a foto oficial (24/09/12)

24/09/2012 - 22h23

"Era uma vez eu, Verônica" e "Eles Voltam" dividem prêmio de melhor filme em Brasília

James Cimino
Do UOL, em Brasília

As duas maiores surpresas dentre os vencedores do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro foram nas categorias melhor filme, em que as produções pernambucanas “Eles Voltam”, de Marcelo Lordello, e “Era uma vez eu, Verônica”, de Marcelo Gomes, dividiram o prêmio, e melhor atriz, em que a adolescente Maria Luiza Tavares, de 15 anos, derrotou veteranas como Irene Ravache, Hermilla Guedes e Bianca Byngton.

A produção que recebeu mais prêmios, no entanto, foi um curta-metragem de ficção chamado “A Mão que Afaga”, da diretora baiana, radicada em São Paulo, Gabriela Amaral Almeida. Levou sete prêmios, inclusive de melhor filme segundo o júri popular e melhor atriz para Luciana Paz, que interpreta a solitária atendente de telemarketing que protagoniza a história.

Na categoria documentário de longa-metragem, o júri popular escolheu “Elena”, que conta a história de como a família da diretora Petra Costa enfrentou o suicídio de sua irmã, enquanto o júri oficial escolheu “Otto”, de Cao Guimarães, em que o diretor acompanha a gravidez de sua mulher e o nascimento de seu filho.

Na categoria documentário de curta metragem, o vencedor de melhor filme foi “A Guerra dos Gibis”, enquanto na categoria estreante curta de animação o prêmio ficou com “O Gigante”.

O júri oficial também deu um prêmio especial ao documentário de longa-metragem “Um Filme para Dirceu”, que conta a saga do gaiteiro Dirceu Cielinski para realizar um filme e ficar famoso.

O júri popular também escolheu “Era uma vez eu, Verônica”, como melhor longa de ficção, e “A Ditadura da Especulação”, um filme que denuncia a especulação imobiliária em Brasília, como melhor documentário de curta-metragem.

Veja abaixo os premiados do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro:

PRÊMIOS DO JÚRI OFICIAL

LONGA-METRAGEM DE FICÇÃO


Melhor filme - R$ 250 mil
“Eles voltam”, de Marcelo Lordello e “Era uma vez eu, Verônica”, de Marcelo Gomes

Melhor direção - R$ 20 mil
Daniel Aragão ("Boa sorte, meu amor")

Melhor ator - R$ 5 mil
Enrique Diaz ("Noites de Reis")

Melhor atriz - R$ 5 mil
Maria Luiza Tavares ("Eles voltam")

Melhor ator coadjuvante - R$ 3 mil
W. J. Solha ("Era uma vez eu, Verônica")

Melhor atriz coadjuvante - R$ 3 mil
Elayne Moura ("Eles voltam")

Melhor roteiro - R$ 5 mil
Marcelo Gomes ("Era uma vez eu, Verônica")

Melhor fotografia - R$ 5 mil
Mauro Pinheiro Jr. ("Era uma vez eu, Verônica")

Melhor direção de arte - R$ 5 mil
Gatto Larsen e Rubens Bardot ("Esse amor que nos consome")

Melhor trilha sonora - R$ 5 mil
Karina Buhr e Tomaz Alves Souza ("Era uma vez eu, Verônica")

Melhor som - R$ 5 mil
Guga S. Rocha, Phelipe Cabeça, Pablo Lopes ("Boa sorte, meu amor")

Melhor montagem - R$ 5 mil
Ricardo Pretti ("Esse amor que nos consome")

Menção Especial do Júri
Carlo Mossy ("Boa sorte, meu amor")


CURTA-METRAGEM DE FICÇÃO

Melhor filme - R$ 20 mil
"Vestido de Laerte", de Claudia Priscilla e Pedro Marques

Melhor direção - R$ 5 mil
Eduardo Morotó, Marcelo Martins Santiago e Renan Brandão ("Eu nunca deveria ter voltado")

Melhor ator - R$ 3 mil
Everaldo Pontes ("Eu nunca deveria ter voltado")

Melhor atriz - R$ 3 mil
Luciana Paes ("A mão que afaga")

Melhor roteiro - R$ 3 mil
Gabriela Amaral Almeida ("A mão que afaga")

Melhor fotografia - R$ 3 mil
Pedro Sotero ("Canção para minha irmã")

Melhor direção de arte – R$ 3 mil
Fernanda Benner ("Vestido de Laerte")

Melhor trilha sonora - R$ 3 mil
Pedro Gracindo e Victor Lourenço ("Eu nunca deveria ter voltado")

Melhor som - R$ 3 mil
Felippe Schultz Mussel e Rodrigo Maia (Menino Peixe)

Melhor montagem - R$ 3 mil
Marco Dutra ("A mão que afaga")


CURTA-METRAGEM DE ANIMAÇÃO

Melhor filme - R$ 20 mil

"Valquíria", de Luiz Henrique Marques


LONGA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

Melhor filme - R$100 mil

"Otto", de Cao Guimarães

Melhor direção - R$ 20 mil
Petra Costa ("Elena")

Prêmio Especial do Júri
"Um Filme para Dirceu", de Ana Johann

Melhor fotografia - R$ 5 mil
Cao Guimarães e Florencia Martínez ("Otto")

Melhor direção de arte - R$ 5 mil
Filme “Elena”

Melhor trilha sonora - R$ 5 mil
O Grivo ("Otto")

Melhor som - R$ R$ 5 mil
O Grivo ("Otto")

Melhor montagem - R$ 5 mil:
Marília Moraes e Tina Baz ("Elena")


CURTA-METRAGEM DOCUMENTÁRIO

Melhor filme - R$ 20 mil
"A Guerra dos Gibis", de Thiago Brandimarte Mendonça e Rafael Terpins

Melhor direção - R$ 5 mil
Liliana Sulzbach ("A Cidade")

Melhor fotografia - R$ 3 mil
Francisco Alemão Ribeiro ("A Cidade")

Melhor direção de arte - R$ 3 mil
Natália Vaz ("A Guerra dos Gibis")

Melhor trilha sonora - R$ 3 mil
BID ("A Guerra dos Gibis")

Melhor som - R$ 3 mil
Cléber Neutzling ("A Cidade")

Melhor montagem - R$ 3 mil
Eduardo Serrano ("A Onda Trás, o Vento Leva")


PRÊMIO DO JÚRI POPULAR

Melhor longa-metragem de ficção - R$ 20 mil

"Era uma vez eu, Verônica", de Marcelo Gomes

Melhor longa-metragem documentário - R$ 15 mil
"Elena", de Petra Costa

Melhor curta-metragem de ficção - R$ 10 mil
"A mão que afaga", de Gabriela Amaral Almeida

Melhor curta-metragem documentário - R$ 10 mil
"A ditadura da especulação", de Zé Furtado

Melhor curta-metragem de Animação - R$ 10 mil
"O Gigante", de Luís da Matta Almeida


TROFÉU CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL - JÚRI OFICIAL

Melhor longa-metragem: R$ 80 mil

"Parece que existo", de Mario Salimon

Melhor curta-metragem: R$ 30 mil
"Meu amigo Nietzsche", de Fáuston da Silva

Melhor direção: R$ 6 mil
Fáuston da Silva ("Meu amigo Nietzsche")

Melhor ator: R$ 6 mil
Bruno Torres ("Sagrado coração")

Melhor atriz: R$ 6 mil
Gleide Firmino ("A caroneira")

Melhor roteiro: R$ 6 mil
Fáuston da Silva e Tatianne da Silva ("Meu amigo Nietzsche")

Melhor fotografia: R$ 6 mil
Vagner Jabour ("Vida kalunga")

Melhor montagem: R$ 6 mil
Edson Fogaça ("A jangada de raiz")

Melhor direção de arte: R$ 6 mil
Andrey Hermuche ("A caroneira")

Melhor edição de som: R$ 6 mil
Dirceu Lustosa ("Vida kalunga")

Melhor captação de som direto: R$ 6 mil
José Pennington ("Zé do pedal")

Melhor trilha sonora: R$ 6 mil
Cláudio Macdowell ("Parece que existo")


TROFÉU CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL - JÚRI POPULAR

Melhor longa-metragem: R$ 20 mil

"Sob o signo da poesia", de Neto Borges

Melhor curta-metragem: R$ 10 mil
"Meu amigo Nietzsche", de Fáuston da Silva

PRÊMIO AQUISIÇÃO CANAL BRASIL
O melhor curta de ficção ou animação em competição, selecionado pelo júri Canal Brasil, recebe o prêmio de aquisição no valor de 15 mil reais.
"A mão que afaga", de Gabriela Amaral Almeida


PREMIO DA CRÍTICA – JÚRI ABRACCINE

Melhor Curta-metragem - Troféu Candango
 “A mão que afaga”, de Gabriela Amaral Almeida (SP)

Melhor Longa-metragem - Troféu Candango
 “Eles voltam”, de Marcelo Lordello (PE)


PRÊMIO MARCO ANTÔNIO GUIMARÃES
Troféu Candango - Conferido pelo Centro de Pesquisadores do Cinema Brasileiro para o filme que melhor utilizar material de pesquisa cinematográfica brasileira
“Olho nu”, de Joel Pizzini


PRÊMIO CONTERRÂNEOS
Troféu oferecido pela Fundação CineMemória

 

Melhor Documentário do Festival
"Entorno da Beleza", de Dácia Ibiapina

PRÊMIO ABCV - Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo
Conferido pela ABCV – Associação Brasiliense de Cinema e Vídeo a profissionais do audiovisual do Distrito Federal
Homenagem a Carlos Del Pino e Gustavo Miguel


PRÊMIO TROFÉU SARUÊ
Conferido pela equipe de cultura do jornal Correio Braziliense.
“Doméstica”, de Gabriel Mascaro

PRÊMIO VAGALUME
Troféu conferido por integrantes do projeto Cinema para Cegos

Melhor longa-metragem
"Era uma vez eu, Verônica", de Marcelo Gomes

Melhor curta-metragem
"A mão que afaga", de Gabriela Amaral Almeida