11/05/2011 - 17h18

Bernardo Bertolucci abre o 64º Festival de Cannes

<a href="http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/"><img src="http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/afp.gif" border="0"></a>
  • Bernardo Bertolucci recebe a Palma de Ouro honorária das mãos de Gilles Jacob (11/05/2011)

    Bernardo Bertolucci recebe a Palma de Ouro honorária das mãos de Gilles Jacob (11/05/2011)

CANNES, França - Bernardo Bertolucci, primeira "Palma de Honra" do Festival de Cannes, abriu nesta quarta-feira à noite a sua 64ª edição durante a tradicional cerimônia antes da exibição do filme de Woody Allen "Meia Noite em Paris".

"Eu esperei um pouco, vou ter minha Palma de Ouro", disse aos 70 anos o diretor de "1900" e de "O Conformista" no placo do Palácio dos Festivais, recebendo das mãos do presidente do festival, Gilles Jacob, a premiação entregue pela primeira vez para recompensar um diretor importante que não recebeu a Palma de Ouro.

Locomovendo-se com a ajuda de uma cadeira de rodas em decorrência de um problema na coluna, um Bertolucci visivelmente emocionado dedicou o prêmio a "todos os italianos que ainda têm força para lutar, criticar, se indignar".

  • Getty Images

    A atriz Melanie Laurent discursa durante a cerimônia de abertura do Festival de Cannes

Pouco antes, a atriz francesa Mélanie Laurent, vestida de preto, abriu o festival celebrando "estes onze dias que valem por cem".

O presidente do júri, Robert De Niro, também saudado com aplausos entusiasmados, tentou se expressar em francês: "obrigado por terem me convidado, para o 75... 64º (sic) Festival de Cannes".

"Espero fazer um bom trabalho e, mais uma vez, obrigado", disse De Niro, aclamado pelos espectadores, entre eles personalidades como o ministro francês da Cultura, Frédéric Mitterrand, a atriz italiana Claudia Cardinale, o ator americano Antonio Banderas e o diretor Woody Allen, entre outros.

Cannes tentou durante muito tempo ter a presidência deste ator-produtor-diretor americano, fundador do Festival de Tribeca, em Nova York, que este ano está à frente de uma equipe composta principalmente por Uma Thurman e Jude Law.

FILME DE ABERTURA

Após a exibição de uma versão a cores - descoberta quase que milagrosamente - de "Viagem à Lua" de Georges Méliès (1902), um outro cidadão de Nova York, Woody Allen, teve sua mais recente obra, "Meia Noite em Paris", exibida (fora de competição). O filme, que tem participação da primeira-dama da França, é uma ode à capital francesa Carla Bruni-Sarkozy e foi saudado pela imprensa à tarde.

TRAILER DO FILME "MEIA NOITE EM PARIS"

Durante uma entrevista coletiva à imprensa, Allen homenageou sua atriz: "Mesmo que tenha se casado com uma autoridade política, ela tem a experiência do show-biz, ela canta, ela toca guitarra, ela tem um senso teatral", disse. "Ela se mostrou muito agradável, adorável e interpretou o seu papel com perfeição".

Carla Bruni, alvo de insistentes rumores sobre sua gravidez, não foi à abertura do festival. Mas estrelas não faltaram na cerimônia, incluindo Adrien Brody, Claudia Cardinale - acompanhada do ministro francês da Cultura Frédéric Mitterrand -, Antonio Banderas, Mélanie Griffith, Faye Dunaway, Emir Kusturica e Salma Hayek.

Woody Allen faz a sua homenagem passeando com sua câmera pelos lugares mais conhecidos da "Cidade Luz". "Paris dá a impressão de que tudo é possível e o filme fala apenas disso", assegurou Woody Allen, considerando que seu longa apresenta uma "Paris emocional e subjetiva".