16/12/2011 - 17h20

Após dez anos de ausência, Bertolucci conclui novo filme "Io e te" em Roma

<a href="http://noticias.uol.com.br/ultnot/afp/"><img src="http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/afp.gif" border="0"></a>
  • Bernardo Bertolucci se emociona no palco da cerimônia de abertura do Festival de Cannes (11/05/2011)

    Bernardo Bertolucci se emociona no palco da cerimônia de abertura do Festival de Cannes (11/05/2011)

ROMA, 16 dez 2011 - Bernardo Bertolucci, diretor de filmes como "O Último Imperador", terminou nesta sexta-feira, em Roma, as filmagens de "Io e te" (Eu e tu, numa tradução livre), um cara a cara entre um adolescente e sua irmã que marca sua volta para a direção após dez anos de ausência.

"Io e te", cujas filmagens começaram em outubro, é uma adaptação do livro homônimo do autor Niccolo Ammaniti e conta a história de Lorenzo, um adolescente solitário de 14 anos que decide se trancar uma semana no sótão do prédio onde vive, escondendo-se dos pais que pensam que ele está esquiando. Mas sua meia-irmã Olivia, uma rebelde de 24 anos, frustra seus planos.

"É o que os franceses chamam de um 'huis clos' (a portas fechadas)", observou Bertolucci durante entrevista coletiva no bairro de Trastevere, após a divulgação de um trecho da película em que os dois jovens protagonistas, atores estreantes, brigam e depois dançam.

"Em quase todos os meus filmes, há personagens que dançam (...). São como espaços poéticos aonde podemos nos retardar", afirmou, lembrando as filmagens de "O Último Tango em Paris", com Marlon Brando e Maria Schneider. O cineasta de 70 anos, que está em cadeira de rodas, também explicou o que o levou a voltar a dirigir.

"Tenho dificuldade de resistir quando um jovem que está crescendo fala comigo (...). Os adolescentes estão em eterna mutação: para mim, é irresistível", contou o cineasta.

Bertolucci também comentou a redução de sua mobilidade: "filmar é, para mim, um pouco como um milagre, mas para mim é algo natural, mesmo que tenha passado 9, 10 anos sem filmar".

Em maio, Bertolucci recebeu com ovação, no Festival de Cannes, uma Palma de Honra pelo conjunto de sua obra. Seu último filme, "Os Sonhadores", foi concluído em 2003.