UOL Entretenimento Cinema
 
14/02/2011 - 16h02

"Coriolanus" de Fiennes e Chernobyl dividem opiniões em Berlim

  • Ralph Fiennes e Gerard Butler posam juntos para foto no Festival de Berlim. Ambos estrelam Coriolanus, dirigido por Fiennes (14/02/2011)

    Ralph Fiennes e Gerard Butler posam juntos para foto no Festival de Berlim. Ambos estrelam "Coriolanus", dirigido por Fiennes (14/02/2011)

BERLIM, Alemanha - O "Coriolanus" de Shakespeare, repaginado por Ralph Fiennes, sacudiu o Festival de Berlim, com uma versão livre do militar durão transformado em inimigo do povo de Roma nesta segunda-feira, dividindo as atenções na competição com "Innocent Saturday", sobre o sábado do ano de 1986 que Chernobyl rachou.

Transferir a Shakespeare e a falsa democracia romana às guerras de nossos dias não é tarefa fácil, por muito que ajude o impecável inglês shakespeariano de Fiennes e Vanessa Redgrave.

Não é simplesmente traduzir para linguagem atual a tragédia do militar capaz de ganhar todas as batalhas, mas o coração do plebeu, à mercê de manipuladores decididos a transformar seu discurso de soldado em desprezo em direção ao povo. Fiennes tentou no filme onde estreia como diretor e exerce o papel de protagonista.

"Coriolanus" se movimenta entre os barulhos da guerra e exercícios de declamação, entre tanques policiais sufocando o povo e duelos de morte contra o inimigo insurgente. O Coriolanus de Shakespeare e seus receios em direção ao mundo romano "ajudam-nos a formular perguntas provocantes", como o sentido da democracia.

Tudo, em um ambiente de caos só comparável com o nível de radiação desencadeado por Chernobyl, rodado com câmera no ombro e com o imediatismo que parece realmente saber para onde tudo caminha.

"Coriolanus" dividiu opiniões - em parte, porque nem todo o mundo confessa abertamente a impenetrabilidade do texto de Shakespeare -, enquanto "Innocent Saturday" de Mindadze foi recebido pela imprensa como suposto "candidato ao prêmio".

Siga UOL Cinema

Sites e Revistas

Arquivo

Hospedagem: UOL Host