27/07/2011 - 14h10

Desenhista de soldados imperiais ganha luta judicial contra George Lucas

<a href=http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/><img src=http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif border=0></a>
  • Uniforme dos Storm Troopers, um dos ícones da saga "Star Wars", é alvo de processo

    Uniforme dos Storm Troopers, um dos ícones da saga "Star Wars", é alvo de processo

LONDRES, Inglaterra - A Corte Suprema britânica deu nesta quarta-feira razão ao desenhista dos uniformes dos soldados imperiais da famosa saga cinematográfica "Guerra nas Estrelas" em sua longa disputa judicial contra George Lucas.

A alta corte opinou que Andrew Ainsworth, um cidadão britânico de 62 anos que em 1977 desenhou os uniformes e capacetes brancos dos soldados do Império, poderá continuar vendendo réplicas na Europa, informou a emissora "BBC".

A Justiça estima que isso não infringe as leis de propriedade intelectual britânicas ao não se tratar de obras artísticas, no entanto, decidiu que Ainsworth não poderá exportar as réplicas para os Estados Unidos porque ali violaria a legislação vigente.

Este processo judicial começou em 2004, quando a produtora Lucasfilm apresentou nos EUA um processo de US$ 20 milhões contra o desenhista dos uniformes imperiais, decisão que em 2008 foi transferida ao Reino Unido.

Antes que o Supremo se pronunciasse nesta quarta-feira, dois tribunais de menor categoria já tinham dado a razão em 2008 e 2009 o desenhista britânico no processo apresentada por Lucasfilm. Andrew Ainsworth vende há oito anos réplicas dos trajes brancos, que fabrica em seu estúdio de Twickenham (oeste de Londres) com os mesmos moldes e instrumentos que utilizou em 1977.

"Estou orgulhoso de ver que no sistema legal inglês Davi pode derrotar Golias", assinalou Ainsworth em comunicado em referência a sua luta contra Lucas, cuja fortuna está estimada em mais de US$ 2 bilhões.

Por sua vez, um porta-voz de Lucasfilm considerou que a decisão da justiça britânica "mantém uma anomalia", já que "trabalhos artísticos e criativos desenhados para o cinema não são protegidos no Reino Unido".