01/09/2011 - 18h37

Terror invade cinemas dos EUA e ameaça reinado de "Vidas Cruzadas"

<a href=http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/><img src=http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif border=0></a>
  • Cena do filme "Vidas Cruzadas" (2011)

    Cena do filme "Vidas Cruzadas" (2011)

Los Angeles (EUA), 1 set (EFE).- Os thrillers "Apollo 18 - Missão Proibida" e "Shark Night 3D" ameaçam roubar a liderança de bilheteria nos Estados Unidos de "Vidas Cruzadas", que já soma duas semanas seguidas no primeiro lugar.

"Apollo 18", dirigido pelo espanhol Gonzalo López-Gallego, aposta na ideia de mostrar ao espectador um suposto "material encontrado" durante uma missão secreta à Lua que fornece claras evidências de outras formas de vida, que reforça o slogan "Há uma razão pela qual não voltamos à Lua".

O filme foi produzido por Timur Bekmambetov ("O Procurado") e seu roteiro é obra de Brian Miller e Cory Goodman. O estúdio The Weinstein Company apostou pelo mistério absoluto e não permitiu credenciamento de imprensa nem entrevistas com a equipe antes da estreia.

Uma estratégia similar, embora não tão extrema, é a aposta do estúdio Relativity Media com "Shark Night 3D", que também não foi exibido para a imprensa, mas liberou o elenco para dar entrevistas.

"Shark Night 3D" é um festival de sangue e sustos dirigido pelo especialista do gênero David R. Ellis ("Premonição 4"), no qual um grupo de estudantes fica preso em uma ilha rodeada por vários tubarões sedentos de sangue.

Por sua vez "A Dívida", que estreou na quarta-feira, é um thriller de suspense com um elenco que inclui Helen Mirren, Sam Worthington, Jessica Chastain e Tom Wilkinson.

O filme de John Madden ("Shakespeare Apaixonado") narra a relação entre três agentes secretos aposentados do Mossad, venerados durante décadas em Israel por uma missão de 1966, quando caçaram um criminoso nazista, mas quando descobrem uma revelação em torno daquela missão, a integridade de seus protagonistas fica ameaçada.

"Vidas Cruzadas", que se manteve no ponto mais alto da bilheteria americana nas duas últimas semanas, expõe as injustiças sociais envolvendo a população de raça negra na sociedade do Mississipi (EUA) na década de 60.