O diretor Pedro Almodóvar pega o ator Antonio Banderas no colo depois da sessão de fotos de "A pele que Habito"

O diretor Pedro Almodóvar pega o ator Antonio Banderas no colo depois da sessão de fotos de "A pele que Habito"

10/10/2011 - 11h13

Antonio Banderas diz que "trabalhar com Almodóvar é um ato de fé"

<a href=http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/><img src=http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif border=0></a>
Antonio Martín Guirado
De Los Angeles

Antonio Banderas estreia nesta sexta-feira nos Estados Unidos "A Pele que Habito", a primeira produção espanhola que o ator protagoniza desde "Quero Dizer que te Amo", há 16 anos, e que é também seu reencontro com o diretor Pedro Almodóvar.Para o ator, trabalhar com o cineasta espanhol representa "um ato de fé", afirmou à Agência Efe.

"Temos que acreditar no que fazemos. Lembro que tinha medo quando gravei 'A Lei do Desejo'. O filme acabou se tornando um clássico porque rompe narrativas", disse o ator. "Pedro tem coragem de continuar experimentando e propondo mundos novos, e é isso o que me atrai", acrescentou.

Juntos, os dois fizeram seis filmes: "Labirinto de Paixões" (1982), "Matador" (1985), "A Lei do Desejo" (1986), "Mulheres à beira de um Ataque de Nervos" (1988), "Ata-me" (1989) e agora, mais de 20 anos depois, "A Pele que Habito".

"É muito bom voltar para casa, voltar à família Almodóvar, com a qual tenho uma longa história", destacou o ator espanhol, que em Hollywood gravou filmes como "Philadelphia" (1993), "A Balada do Pistoleiro" (1995), "A Máscara do Zorro" (1998), "Pequenos Espiões" (2001) e toda a saga de "Shrek".

Trailer do filme "A Pele Que Habito"

"Volto a um lugar onde posso me colocar em um universo de risco, de desafio às leis da gravidade cinematográfica. Isto representa uma dificuldade e uma satisfação enorme", considerou.

Duas décadas se passaram desde que Banderas foi para os Estados Unidos. "Agora estes dois mundos se unem em minha vida profissional: de um lado o cinema que explora as complexidades do ser humano, e do outro o cinema entendido como indústria. É quase uma metáfora da minha vida aqui. E estou muito feliz de voltar a trabalhar com Pedro e de criar um monstro absolutamente apaixonante", declarou.

O monstro a que o ator se refere é o seu personagem em "A Pele que Habito", o psicopata Robert Legrand, um médico obcecado pela morte de sua mulher, a qual não conseguiu salvar de um incêndio, e de sua filha.

O filme, um thriller futurista de terror com toques de humor puramente almodovariano, conta a história de Vera (Elena Anaya), uma belíssima mulher criada por Legrand que vive fechada e observada, e cujo único objetivo é fugir.

Tanto Almodóvar como o próprio Banderas e Elena Anaya convenceram a crítica americana, que já começou a especular possíveis candidaturas ao Oscar.

"A expectativa gera frustrações e eu prefiro não pensar nisso. Mas se acontecer, será muito bom", frisou Banderas, que capta financiamento para seu próximo filme, que começaria a ser gravado em abril. "Porém, a crise não atinge apenas os trabalhadores. Afeta muito o cinema também", lamentou.