11/10/2011 - 10h58

Jornalista francesa se infiltra no "inferno" da repressão síria em documentário

<a href=http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/><img src=http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif border=0></a>

Paris, 11 out (EFE).- A jornalista francesa Sofia Amara apresenta nesta terça-feira ao canal de TV franco-alemão "Arte" um documentário de 52 minutos intitulado "Syrischen Nationalrat" ("Síria, o Inferno da Repressão", em livre tradução) no qual percorre durante 11 dias as manifestações e a opressão do regime do presidente Bashar Al Assad.

"As pessoas são combativas, arriscam suas vidas, mas não recebem muito apoio", explicou à Agência Efe Sofia, que reúne em seu trabalho depoimentos de torturados, de manifestantes e de militares que desertaram porque "se recusam a atirar na população civil".

Seu trabalho é um "diário de viagem" que mostra a agitação em diversas cidades sírias, de Damasco a Homs, entre os dias 4 e 15 de agosto, em um conflito que causou 2,9 mil mortos nos últimos sete meses segundo dados da ONU.

A repórter independente que trabalha com a produtora Magnéto Presse investiga em seu documentário a forma de organização dos manifestantes por meio dos comitês, que usam as redes sociais e o Skype, e suas estratégias para evitar os serviços de inteligência, explica.

O trabalho de Sofia, de origem árabe e especialista no Oriente Médio, traz ainda testemunhos de pessoas que foram torturadas e como estas tentam fazer chegar seus relatos a organizações como a Anistia Internacional (AI).

No documentário aparecem também manifestantes da revolução iraniana e agentes do grupo libanês Hezbollah, explica Sofia, que usou programas de informática para esconder o IP de seu computador.

O documentário oferece uma visão sobre a situação de um país cujo regime torna quase impossível a entrada de jornalistas na Síria e que Sofia define como uma "roleta-russa" em que as autoridades são capazes de deter pessoas que não estão envolvidas nas revoltas e deixar em liberdade os ativistas.

"Fui interceptada no aeroporto ao sair. Tive medo, mas não encontraram nada", acrescenta a repórter, cujo trabalho será divulgado nesta terça às 15h40 (horário de Brasília) no canal de televisão "Arte" e em seu site.