19/11/2011 - 10h05

Morte de Natalie Wood soma-se a outros enigmas do mundo do cinema

<a href=http://noticias.uol.com.br/ultnot/efe/><img src=http://n.i.uol.com.br/ultnot/home/efe.gif border=0></a>
Mateo Sancho Cardiel

Redação Central, 19 nov (EFE).- A reabertura do caso Natalie Wood 30 anos após sua misteriosa morte faz lembrar que, de Marilyn Monroe a Pier Paolo Pasolini, passando por Brandon Lee, são muitas as estrelas de cinema que morreram "sob estranhas circunstâncias".

Natalie Wood, que nunca escondeu seu medo de água, comoveu o mundo ao aparecer, em 29 de novembro de 1981, afogada nas proximidades da ilha de Catalina, na Califórnia, onde passava o fim de semana junto com seu marido, Robert Wagner, e o ator Christopher Walken.

Há quem julgue que o caso foi um complexo crime passional, a despeito da versão oficial que considerou a morte acidental, e as novas informações que motivaram a reabertura do caso voltam a dar margem a especulações.

Quase um ano depois daquele 1981, a musa de Alfred Hitchcock e princesa de Mônaco, Grace Kelly, perdeu a vida em um acidente de carro nas sinuosas estradas de Monte Carlo, quando estava acompanhada de sua filha Stéphanie.

Durante anos, a versão mais popular dizia que, na realidade, era a jovem quem conduzia o automóvel.

Duas estrelas do cinema de vida conturbada, Marilyn Monroe e Romy Schneider, morreram com 20 anos de diferença - uma em 1962 e outra em 1982 - por uma combinação de álcool e remédios que gerou especulações sobre possíveis suicídios.

Com relação à primeira, eram bastante conhecidas suas instabilidades emocionais, apesar de suas relações com a máfia e com os Kennedy terem sido as principais fontes de teorias conspiratórias.

A segunda havia enfrentado a trágica morte de seu filho em um acidente ocorrido quando tentava pular a cerca de sua casa e, por isso, nunca se soube se o excesso de barbitúricos foi provocado ou não.

Os remédios também acabaram com a vida de Heath Ledger, que apareceu morto em seu apartamento de Nova York em 22 de janeiro de 2008, pouco antes da estreia do filme pelo qual ganharia o Oscar, "Batman: O Cavaleiro das Trevas", no qual interpretou um apavorante Coringa.

O suicídio foi descartado, da mesma forma que ocorreu com Brittany Murphy, morta em 20 de dezembro de 2009. As causas do óbito foram uma mistura de pneumonia e anemia, mas depois que seu marido, Simon Monjack, também morreu pouco depois, houve rumores de que tratou-se do efeito tóxico de fungos gerados pela umidade de sua casa, versão que nunca foi provada.

Brandon Lee morreu durante a filmagem de uma cena de "O Corvo" por uma bala que deveria ser de festim, mas não era. As similaridades com a morte de seu próprio pai, Bruce Lee, completaram a teoria de que por trás de ambos os casos estava a máfia chinesa.

Outro mestre das artes marciais, David Carradine, apareceu morto em 2010 em seu quarto de hotel de Bangcoc. Protagonista de "Kung Fu" e resgatado por Quentin Tarantino em "Kill Bill", Carradine apareceu nu com uma corda de náilon atada ao pescoço e aos genitais.

O legista descartou o suicídio e a polícia apontou que o ator se asfixiou acidentalmente durante uma extravagante masturbação, mas a família solicitou uma investigação do FBI que nunca apresentou resultados.

O ator de "Rebelde Sem Causa" Sal Mineo foi por outro lado vítima do que parecia um crime passional em 1976, quando retornava a sua casa após um ensaio. Em seu caso se veria envolvido o ator Björn Andresen, mas finalmente um entregador de pizzas que afirmou não conhecer Mineo foi acusado e preso.

Finalmente, outro caso é o de Pier Paolo Pasolini, polêmico diretor que incomodou a sociedade italiana e cujo assassinato foi reivindicado pelo então adolescente Pino Pelosi, que aos 17 anos e sem mostrar arranhões teria sido capaz de dar uma surra no diretor e atropelá-lo com seu próprio carro em 2 de novembro de 1975. EFE