Filmes e séries

Oscar não louva qualidade, mas revela tendência da indústria cinematográfica

Ana Maria Bahiana

Do UOL, em Los Angeles

27/02/2012 08h26

Se alguém tivesse alguma dúvida de que este era o ano de "O Artista" e "A Invenção de Hugo Cabret", bastava olhar para o cenário e o ambiente do teatro do complexo Hollwyood & Highland: no palco, painéis em estilo art nouveau lembravam os primeiros anos da Academia. Ali, do outro lado do Hollywood Boulevard, no hotel Roosevelt; na plateia, moças vestidas como as vendedoras de cigarros e balas dos palácios do cinema dos anos 1920 e 30 ofereciam sacos de pipoca aos ilustríssimos espectadores; e nas mesas do lobby e dos bastidores, grandes vasos de rosas vermelhas substituíam os arranjos tropicais dos anos anteriores.

  • Mike Blake/Reuters

    Jean Dujardin sobe no palco com o cãozinho Uggie, vencedo do prêmio Coleira de Ouro, depois de "O Artista" ser consagrado como melhor filme no Oscar 2012 (27/2/12)

Tudo falava de um tempo longínquo, quando a indústria engatinhava e a Academia era recém-nascida. Os anos 1920- 1930 – quando "O Artista" e "Hugo Cabret" se passam – foram os anos formadores do cinema, o ano da expansão das companhias europeias e da criação dos primeiros estúdios do que viria a ser Hollywood. Há alguns meses, a Academia deu a partida a um ciclo de celebrações dessa era da inocência com a exibição do primeiro filme a ganhar um Oscar – "Asas", uma produção da Paramount de 1927. E, até a noite de domingo, o primeiro e único filme mudo a ganhar um Oscar.

Esse é o poder da nostalgia, da vontade de voltar ao básico do cinema. Se, um ano atrás, em plena recessão e com a anglofilia de "O Discurso do Rei" dominando a temporada-ouro, alguém dissesse que as glórias de 2012 seriam divididas entre dois filmes sobre as origens do cinema, e que um deles seria mudo e preto e branco, seria tomado como louco.

É bom lembrar sempre que Oscar nunca é sobre louvar “excelência e qualidade” na produção do ano –é sobre tendências que, de alguma forma, falam do que está se passando no coração da indústria.

BRASIL NO OSCAR

  • Reuters

    Depois de perder o Oscar de melhor canção original para "Os Muppets", Carlinhos Brown, um dos autores de "Real in Rio", da trilha sonora da animação "Rio", não se deixou abalar e tuitou: "Não foi dessa vez, mas valeu muito!"

E servem também para medir quem tem o poder. Em termos puramente de mercado, Fox, Sony e Warner Brothers dominam, respectivamente em primeiro, segundo e terceiro lugares em volume de bilheteria, neste momento. Em termos de prestígio, os irmãos Harvey e Bob Weisntein estão de novo no topo, retomando o lugar de reis da selva que tinham nos áureos tempos de 1990.

As oito estatuetas que a Weinstein Co. levou na noite de domingo – cinco para "O Artista", dois para "Dama de Ferro" e uma para longa documentário "Undefeated" – não vieram à toa, mas como resultado de uma longa estratégia, cuidadosamente implementada há meses. No caso de "O Artista", desde que os irmãos viram o filme de Hazanavicius no festival de Cannes. Nos outros dois, com um tremendo corpo a corpo que se intensificou nas últimas semanas de votação, e que levaram Meryl Streep a um triunfo que lhe escapava há anos (e ultrapassando a primeira favorita, Viola Davis, que contava com os amplos cofres da Disney no apoio a "Histórias Cruzadas").

E, embora distribuído pela Paramount, "Hugo Cabret" e seus cinco Oscars sublinham o poder de outro independente, o produtor Graham King, que desde "Gangues de Nova York" é o estrategista financeiro de Martin Scorsese.

A história acaba sempre lembrando quem realmente faz sentido na trajetória do cinema – e foi muito bom ver, em tempos politicamente complicados, a Academia se erguer acima de tudo e laurear o puro poder cinematográfico de "A Separação", primeiro filme iraniano a ganhar um Oscar. No calor do momento, o que os prêmios revelam é, de certa forma, o inconsciente da indústria. Não o que ela diz, ou faz, ou planeja. Mas, por mais estranho que possa parecer, o que ela sente.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo