Filmes e séries

Wagner Moura comenta sucesso na estreia de "Elysium"

Mariane Zendron

do UOL, em Gramado

10/08/2013 18h51

Homenageado com o Troféu Cidade de Gramado, o ator Wagner Moura falou neste sábado (10), na cidade gaúcha, sobre a boa estreia do filme “Elysium”, que conquistou a primeira posição nas bilheterias norte-americanas ao arrecadar cerca de US$ 11 milhões em seu primeiro dia de exibição, segundo estimativas da indústria dos EUA.

“Eu fico feliz. Recentemente escrevi um artigo para o jornal ‘O Globo’ em que dizia que não vejo muita diferença entre sucesso popular e pensamento crítico. O ‘Elysium’ é um filme sobre diferenças sociais. Não que fazer um filme que não tenha crítica não tenha importância porque fiz ‘O Homem do Futuro’, que era um filme divertido, mas a mim interessa essa mistura. Gosto de filmes que tenham um público grande e algo a dizer”, disse ele. Wagner ainda afirmou que espera que o sucesso do filme no Brasil seja o mesmo que ocorreu nos Estados Unidos. "Torço muito por ele".

O ator contou que foi chamado para interpretar seu personagem, Spider, responsável por levar pessoas clandestinamente para a terra de Elysium, porque o diretor Neill Blomkamp é um grande fã de “Tropa de Elite”. No início, Wagner não entendeu porque Blomkamp o queria na produção. “Há tantos atores latinos em Hollywood, mas depois entendi que o diretor queria atores que entendessem e que vivessem em países em que há diferenças sociais”.

Carreira nos Estados Unidos
O ator acredita que o sucesso do longa pode fazer com que receba novos convites para atuar em Hollywood, mas ele não quis falar em carreira internacional. “Sou um ator brasileiro e quero continuar fazendo cinema brasileiro. Filmar lá fora é de certa forma um recomeço, mas os critérios para querer fazer um filme lá são os mesmos que uso para filmar aqui. Quero projetos que me empolguem e me interessem”. Moura diz que adoraria filmar com Kléber Mendonça Filho. “Achei ‘Som ao Redor’ sensacional. Se Kléber me chamasse para um trabalho, eu aceitaria na hora e para fazer qualquer coisa”, garantiu.

Veja o trailer de Elysium com Wagner Moura

Protestos pelo Brasil
“Elysium” é uma ficção científica em que milionários se instalam em uma estação espacial luxuosa no ano de 2154. Com “Tropa de Elite”, o filme tem em comum a luta de classes. Bastante associado a filmes que abordam questões sociais, o ator também falou sobre as manifestações no Rio de Janeiro contra o governador Sérgio Cabral. “As manifestações fazem todo sentido. Sérgio Cabral ganhou popularidade por conta das UPPs [Unidade de Polícia Pacificadora] e criou-se um clima de euforia que eu mesmo, na época, estranhei. As UPPs são importantes, mas como primeiro passo. O primeiro passo foi dado que é entrar com segurança, mas agora precisa do hospital, do livro e da praça paras as crianças brincarem”.

Segundo o ator, fazem sentidos as manifestações em todo Brasil e não só no Rio. “O que aconteceu no Brasil foi inesperado, foi comovente. Eu achei lindo. É bonito ver as pessoas nas ruas. É uma tradição que a gente não tem. O efeito das manifestações no povo brasileiro foi muito mais importante do qualquer efeito pragmático”, disse.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo