Filmes e séries

"Jurassic Park" volta em versão 3D aos cinemas; veja 20 curiosidades

Leonardo Rodrigues

Do UOL, em São Paulo

17/08/2013 07h00

No final dos anos de 1980, o diretor Steven Spielberg --já dono de alguns dos maiores sucessos de bilheteria do cinema-- cresceu os olhos quando soube do livro que o escritor e diretor Michael Crichton estava oferendo aos estúdios de Hollywood: um romance de aventura chamado "Jurassic Park".

A trama, sobre o colapso de um parque de criaturas pré-históricas recriadas geneticamente, despertou o interesse principalmente da Universal.  Certo do retorno que a história traria nas mãos de Midas do diretor de "ET" e "Indiana Jones", o estúdio decidiu desembolsar US$ 2 milhões pelos direitos de publicação da obra --adquirida antes mesmo de ela ser editada, em 1990.

Coube ao próprio Crichton adaptar a história para as telas. Já o roteiro ficou a cargo de David Koepp, que, aos moldes das aventuras hollywoodianas, poliu romances e podou cenas mais violentas.

O resultado do projeto, orçado em vultosos U$$ 63 milhões, foi ainda mais superlativo. Febre mundial, "Jurassic Park" --ou "O Parque dos Dinossauros" no Brasil-- arrecadou inéditos U$$ 969.851.882, recorde que seria quebrado quatro anos mais tarde por "Titanic".

Criadas pelos estúdios Industrial Light & Magic, as imagens do implacável Tiranossauro rex perseguindo a família Murphy pela fictícia ilha Nublar marcaram uma revolução nos efeitos visuais no cinema.

A adaptação faturou três estatuetas do Oscar (as "técnicas" de melhor som, edição de som e efeitos especiais) e, posteriormente, deu origem a uma franquia: "O Mundo Perdido: Jurassic Park" (1997) e "Jurassic Park 3" (2001), ambos baseados nos livros de Crichton.

Ainda hoje, o fenômeno que deu início a uma nova era de superproduções no cinema é capaz de deixar seu rastro. Em abril, o filme foi relançado em 3D nos Estados Unidos, lotando salas. E agora a versão chega aos cinemas do Brasil. O próximo capítulo da saga, "Jurassic Park 4", está previsto para 2015, com Colin Trevorrow ("Sem Segurança Nenhuma", 2012) na direção.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Topo