! Globos de Ouro de melhor ator ficam com DiCaprio e McConaughey - 13/01/2014 - UOL Entretenimento

Filmes e séries

Globos de Ouro de melhor ator ficam com DiCaprio e McConaughey

Do UOL, em São Paulo

13/01/2014 01h28Atualizada em 13/01/2014 13h29

Leonardo DiCaprio ficou com o Globo de Ouro de melhor ator de comédia ou musical pelo filme "O Lobo de Wall Street". Ele concorria com Christian Bale, por "Trapaça"; Bruce Dern, por "Nebraska"; Oscar Isaac, por "Inside Llewyn Davis - Balada de um Homem Comum"; e Joaquin Phoenix, por "Ela".

O último premiado da categoria havia sido Hugh Jackman, que venceu em 2013 pelo papel de Jean Valjean no musical "Os Miseráveis".

Esta é a décima indicação de DiCaprio, que já venceu um prêmio de melhor ator de drama em 2005, por "O Aviador".

Espirituoso, DiCaprio afirmou que não imaginava ser premiado como ator de comédia e ressaltou a qualidade do trabalho de seus "colegas comediantes".

Já entre os atores de filmes dramáticos, o premiado foi Matthew McConaughey, por "Dallas Buyers Club". Os outros indicados eram Chiwetel Ejiofor, por "12 Anos de Escravidão"; Idris Elba, por "Mandela"; Tom Hanks, por "Capitão Phillips"; e Robert Redford, por "Até o Fim".

Esta foi a primeira indicação de McConaughey, que afirmou ter sido colocado de lado por 20 anos e agradeceu por isso o ter levado até o papel de protagonista de "Dallas Buyers Club", um cafetão que começa a ajudar aidéticos a conseguirem medicação depois de também ser diagnosticado com Aids.

Na última edição, o prêmio ficou com Daniel Day-Lewis, por sua interpretação do presidente norte-americano Abraham Lincoln no filme de Steven Spielberg.

Trapaça" é o destaque da noite

Com três prêmios --melhor filme de comédia ou musical, melhor atriz (Amy Adams) e melhor atriz coadjuvante (Jennifer Lawrence), "Trapaça" foi o destaque cinematográfico do Globo de Ouro 2014, em uma edição marcada por prêmios "espalhados" entre diversos concorrentes. O filme também concorria, mas não levou, nas categorias de direção (David O. Russel), roteiro (David O. Russel), ator de comédia ou musical (Christian Bale) e ator coadjuvante (Bradley Cooper).

Os demais prêmios foram divididos entre os outro concorrentes, com o prêmio de melhor filme de drama para "12 Anos de Escravidão". Antes considerado favorito, o filme de Steve McQueen levou apenas um troféu.

"Gravidade", que também era forte candidato, inclusive ao prêmio de melhor atriz para Sandra Bullock, teve apenas um prêmio para o diretor Alfonso Cuarón, que fez piada com seu sotaque de mexicano e com os mal-entendidos causados por ele durante a produção, algo que ele disse acreditar que os colegas da Associação de Críticos Estrangeiros de Hollywood  "já passaram".

Veja o trailer do filme "Trapaça"

"Ela", que concorria entre os filmes de comédia e musical, levou apenas o Globo de roteiro, para o diretor e roteirista Spike Jonze.

Cate Blanchett, que carrega nas costas "Blue Jasmine", de Woody Allen, também foi responsável por "roubar" o prêmio que muitos já consideravam de Sandra Bullock. Blanchett interpreta a personagem título de "Blue Jasmine", uma ricaça falida e surtada que vai morar com a irmã depois que seu marido é preso por fraude.

A vitória de Blanchett casou bem com o prêmio da noite, oferecido a Allen pelo conjunto de sua carreira. Conhecido por sua aversão a premiações, Allen não compareceu e foi representado por sua ex-musa e ex-mulher, Diane Keaton, que ressaltou justamente a qualidade das personagens femininas de Allen, desde a sua Annie Hall (de "Noivo Neurótico, Noiva Nervosa") até "Blue Jasmine", que já foram interpretadas por "179 das melhores atrizes, simplesmente porque elas quiseram representá-los". O cineasta não escapou de ser alvo de uma piada de Emma Stone, que apresentou o prêmio Cecil B. DeMille. "Você é realmente problemático", brincou a atriz, ao relembrar filmes e personagens do cineasta.

Indicado à Palma de Ouro em Cannes, "A Grande Beleza", de Paolo Sorrentino, bateu seu oponente francês "Azul É a Cor Mais Quente" e ficou com o Globo de Ouro de melhor filme estrangeiro. Já "Frozen: Uma Aventura Congelante" conseguiu conquistar a crítica estrangeira de Hollywood e venceu o prêmio de melhor animação, apesar de ter estreado nos Estados Unidos apenas no fim de 2013.

Sobrou troféu até para os irlandeses do U2, que receberam o Globo de Ouro de canção original por "Ordinary Love", do filme "Mandela". O prêmio de trilha sonora ficou com Alex Ebert, por "Até o Fim", estrelado por Robert Redford.

TV

Nas categorias televisivas, o destaque ficou, previsivelmente, com "Breaking Bad". A série, que terminou em 2013, venceu como melhor série de drama e teve seu protagonista Bryan Cranston escolhido como melhor ator de série dramática. Inédita no Brasil, a comédia "Brooklyn Nine-Nine" levou as categorias melhor série e melhor ator de comédia ou musical (Andy Samberg). O filme televisivo "Behind the Candelabra", de Steven Soderbergh, também levou dois Globos: melhor filme para TV e melhor ator de filme ou minissérie para TV (Michael Douglas).

Veja os vencedores do Globo de Ouro 2014: 

CINEMA

Melhor filme de drama
"12 Anos de Escravidão

Melhor filme de comédia/musical
"Trapaça"

Melhor direção
Alfonso Cuarón, por "Gravidade"

Melhor roteiro
Spike Jonze, por "Ela"

Melhor atriz de drama
Cate Blanchett, por "Blue Jasmine"

Melhor atriz de comédia/musical
Amy Adams, por "Trapaça"

Melhor ator de drama
Matthew McConaughey, por "Dallas Buyers Club"

Melhor ator de comédia/musical
Leonardo DiCaprio, por "O Lobo de Wall Street""

Melhor atriz coadjuvante
Jennifer Lawrence, por "Trapaça"

Melhor ator coadjuvante
Jared Leto, por "Dallas Buyers Club"

Melhor animação
"Frozen - Uma Aventura Congelante"

Melhor filme estrangeiro
"A Grande Beleza" (Itália)

Melhor trilha sonora
"Até o Fim"

Melhor canção original
"Ordinary Love", de U2 ("Mandela")

TV

Melhor série de drama
"Breaking Bad"

Melhor série de comédia ou musical
"Brooklyn Nine-Nine"

Melhor minissérie ou filme feito para a TV
"Behind the Candelabra"

Melhor atriz de série dramática
Robin Wright - "House of Cards"

Melhor ator em série dramática
Bryan Cranston - “Breaking Bad”

Melhor atriz em série de comédia ou musical
Amy Poehler - “Parks and Recreation”

Melhor ator em série de comédia ou musical
Andy Samberg - “Brooklyn Nine Nine”

Melhor atriz em minissérie ou filme feito para a TV
Elisabeth Moss - "Top of the Lake"

Melhor ator em minissérie ou filme feito para a TV
Michael Douglas - "Behind the Candelabra"

Melhor atriz coadjuvante em série, minissérie, ou filme para a TV
Jacqueline Bisset - "Dancing on the Edge"

Melhor ator coadjuvante em série, minissérie, ou filme para TV
Jon Voight - "Ray Donovan"

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
Reuters
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
Chico Barney
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Topo