Cinema

Crua e sem estereótipos, "Trilogia do Cárcere" mostra dramas em presídios

Divulgação
Cena do filme "A Gente" (2014), da Trilogia do Cárcere de Aly Muritiba imagem: Divulgação

Carlos Minuano

Do UOL, em São Paulo

As mazelas das cadeias brasileiras --que recentemente ganharam destaque por conta da barbárie entre detentos no Maranhão-- viraram tema de três filmes, que já acumulam prêmios no Brasil e no exterior. Crua e sem estereótipos, a "Trilogia do Cárcere",  filmada pelo ex-agente penitenciário Aly Muritiba, mostra em diferentes perspectivas dramas do cotidiano em presídios pelo país.

  • Divulgação

    Cena do filme "A Gente" (2014)

Depois de conhecer por dentro o sistema prisional do Paraná, o então agente decidiu se tornar cineasta e mostrar o que viu bem de perto. Nos três filmes ele constrói um retrato bem sucedido de um cenário invariavelmente péssimo em todo o país. O caminho que escolheu para isso foi o do cinema em estado bruto. "Apostei na secura das imagens e em personagens bem delineados", afirmou Aly Muritiba em entrevista ao UOL.

Para reforçar a opção estética e a ênfase no simples, ele dispensou efeitos básicos e trilha sonora. "Seria dispersivo", explicou. A fórmula parece ter dado certo. Feito com baixo orçamento --R$ 40 mil--, o curta "A Fábrica" (2011), que abre a "Trilogia do Cárcere", viajou o mundo inteiro e participou de mais de uma centena de festivais em todos os continentes.

No total foram 62 prêmios e esteve ainda entre curtas pré-selecionados para o Oscar de 2013. Híbrido de ficção e documentário, o filme mostra a delicada e arriscada condição dos familiares dos detentos. "Sabia que tinha um bom filme, mas não imaginava que faria tanto sucesso", comemorou o diretor.

O segundo curta, "O Pátio" (2013), seguiu caminho semelhante. Com orçamento zero --segundo ele, só uns trocados do próprio bolso e de amigos-- e com uma única câmera parada, registrou a convivência entre os presos. No lugar da esperada violência, o diretor destaca a amizade e a esperança que podem sobrepor-se às adversidades. No Brasil foi o grande vencedor do Festival É Tudo Verdade, e lá fora representou o país na Semana da Crítica, mostra paralela do Festival de Cannes.

A tríade badalada de Muritiba encerra com o longa "A Gente", também de 2013, mas que deve chegar aos cinemas até maio deste ano. O filme, que custou R$ 50 mil, mostra a vida real sem retoques de um grupo de agentes penitenciários. Com calibre para fazer barulho, o filme já começou a se destacar em festivais.

A primeira exibição foi no Festival do Rio do ano passado, mas já passou também pelo Olhar de Cinema (Festival Internacional de Curitiba) e foi premiado no Dok Leipzig (festival de documentários na Alemanha). O longa também integra a programação da 17ª Mostra Tiradentes, voltado à produção de novos diretores, que acontece no final deste mês na cidade mineira.

A trilogia de Aly Muritiba caiu nas graças da crítica por sua linguagem simples e direta, mas ao mesmo tempo cheia de arquétipos, traço que garante a comunicação com diferentes públicos. Com foco em dramas pessoais e no cotidiano, cada filme expõe um ângulo diferente da mesma questão: prisioneiros empilhados em condições miseráveis e carências extremas.

"É apenas uma minoria que não presta"
O acaso e a paixão parecem ter norteado a sinuosa trajetória do baiano Aly Muritiba. Ele passou por São Paulo, se formou em história, apaixonou-se por uma paranaense e se mudou com ela para Curitiba. Em 2006, desempregado e sem opções, ingressou no sistema carcerário. "Foi o primeiro concurso público que apareceu. Não acredito que alguém tenha vontade de trabalhar como agente penitenciário".

Seis meses depois de começar a trabalhar nos presídios passou a estudar cinema e a filmar curtas-metragens. Permaneceu no cargo durante sete anos (dois em licença não remunerada para filmar). Muritiba contou que a ideia de fazer a trilogia veio do choque que sentiu ao perceber os contrastes latentes entre a realidade que vivia nas prisões e a imagem superficial que assistia até então no cinema.

"Quando comecei a conhecer as coisas por dentro, mantendo contato com presos, familiares e outros agentes penitenciários, começou a me chatear a grande quantidade de estereótipos em filmes brasileiros sobre o tema", afirmou Muritiba. O que mais incomodava o emergente diretor baiano radicado em Curitiba era o tratamento dado aos agentes, em geral, representados como vilões. "Na realidade é apenas uma minoria que não presta".

Foi então que decidiu fazer um filme sobre os agentes, mas faltavam recursos e mais intimidade com os personagens. Os dois primeiros filmes foram uma espécie de preparação para o longa que fecha a "Trilogia do Cárcere" e que colocou o cinema curitibano no badalado circuito da produção cinematográfica nacional.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 
Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Topo