Filmes e séries

Atuação emocional de Moura em "Praia do Futuro" surpreenderá fãs de "Tropa"

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Berlim (Alemanha)

11/02/2014 15h45

Wagner Moura deixou claro na entrevista coletiva de “Praia do Futuro” no Festival de Berlim: não quer que o filme seja visto como um filme gay. Tem toda a razão. Seria rotular e reduzir um filme que fala sobre tantas outras coisas: a solidão; a vontade repentina que um homem tem de mudar de vida e de país, deixando a família pra trás; a sensação de desenraizamento, de se sentir deslocado num lugar que não é o seu; o sentimento de abandono daqueles que ficaram; a relação entre irmão mais velho e irmão mais novo – para este, aquele sempre vai ter algo de super-herói.

Mas uma coisa é certa: depois do beijo gay da novela “Amor à Vida” – e junto com outro filme, “Hoje Eu Quero Voltar Sozinho”, que estreia antes, em março –, “Praia do Futuro” pode ajudar a quebrar mais uns tantos preconceitos da classe média  brasileira, ainda que em menor escala que a novela. Quem for ao cinema em maio para ver o novo filme do intérprete do Capitão Nascimento vai se surpreender. Wagner não tem medo de se entregar a um papel difícil, com cenas fortes – e sua atuação sempre emocional é um dos pilares do filme.

$!$render-component.split('/')[$math.sub($render-component.split('/').size(), 1)]

Na contramão das comédias da Globo Filmes, Karim Aïnouz é um cineasta refinado, que tira da sua história todos os diálogos supérfluos para ficar apenas com as imagens, fortes e marcantes. A cena do afogamento no início do filme, as cenas de sexo entre Donato (Moura) e Konrad (Clemens Schick), o reencontro de Donato com o irmão (Jesuíta Barbosa) – que começa como uma briga intensa e evolui para um abraço dolorido – revelam um cinema do corpo, dos seus gozos e sofrimentos. Transando, dançando na balada ou brigando, seus personagens vivem na pele todas as emoções.

Se em “O Céu de Suely”, “O Abismo Prateado” e na missérie “Alice” Karim mergulhava em histórias de mulheres à deriva, agora ele volta com força ao universo masculino. “Praia do Futuro” é um filme de cinema: em vez de ação e grandes eventos, opta pela observação desses personagens que vão atrás não sabe bem do quê, mas que não têm medo de mudar e seguir em frente.

Além do gostinho de pré-Copa do Mundo, vai ser mais do que merecido se o júri do Festival de Berlim reservar um bom prêmio ao filme na cerimônia de encerramento, no sábado (15). Por que não sonhar com o Urso de Ouro?

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Matias
AFP
do UOL
Duelo
do UOL
Reuters
Reuters
UOL Cinema - Imagens
AFP
Da Redação
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
ANSA
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Blog do Nilson Xavier
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Chico Barney
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Cinema
EFE
EFE
AFP
Chico Barney
Reuters
Reuters
do UOL
AFP
do UOL
Topo