Filmes e séries

Juliana Paes e Nelson Xavier convencem Gramado como casal apaixonado

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado (RS)

09/08/2014 07h09

O diretor Marcelo Galvão diz ter topado com alguns incrédulos quando falou que pretendia contar a história de amor entre um casal com 50 anos de diferença, e que escalaria Juliana Paes e Nelson Xavier para a difícil missão . "Alguns achavam que seria difícil convencer que uma mulher como ela pudesse se apaixonar por ele. Eu dizia: 'vocês vão ver'", disse o diretor ao UOL.

O público não só viu como aprovou. Exibido na primeira noite do Festival de Gramado, nesta sexta (8), "A Despedida", que participa da competição, foi aplaudido por vários minutos pelo público que lotou o Palácio dos Festivais em uma noite fria.

Xavier vive Almirante, um homem de seus 90 e tantos anos, que decide levantar da cama e se despedir da vida, como acertar a conta no boteco, ver o neto, abraçar um amigo. Ele deixa o melhor pro final, uma ultima noite de amor com sua jovem amante, Morena (Paes).

Segundo Galvão, Juliana fez uma pesquisa e acabou encontrando um casal da vida real com diferença grande idade. "Ela encontrou uma mulher de 20 e poucos anos muito apaixonada pelo marido, de mais de 80. Acho que isso fez com que ela acreditasse nesse amor e passasse isso para a personagem". O filme também é baseado em uma história real, do avô de Galvão, que manteve o relacionamento com uma mulher bem mais nova até o fim da vida.

Almirante é um homem que usa fraldas e que precisa de um andador para se locomover, mas isso não impede que ele protagonize cenas de sexo dentro de uma banheira ou troque beijos quentes com a amada.

Para viver um homem com 20 anos a mais que ele, Nelson Xavier contou com a ajuda de um médico, que o ensinou a limitar seu movimentos. O ator ainda ganhou uma maquiagem especial, que lhe imprimiu manchas na pele, mas é na atuação que o ator convence ser mais velho do que realmente é.

Juliana também aparece na tela com uma aparência bem mudada, com nenhuma maquiagem e cabelo despenteado. Somente a descrição da aparência poderia fazer acreditar que ela já havia mostrado isso em "Gabriela", mas Morena, diferentemente da sua personagem da minissérie global, também carrega uma tristeza. Assim, um enxerga no outro o que lhe falta: nela, o espírito jovem e nele, a vigor físico.

Vencedor do Festival de Gramado de 2012, com "Colegas", Marcelo Galvão diz que amadureceu de lá para cá, como diretor, como roteirista e até como produtor. Essa maturidade se reflete em um filme mais inimista e mais simples, mas não simplório. Com a maturidade do diretor e dos atores do longa, Gramado começa bem sua temporada de 2014. 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
Topo