Filmes e séries

"O cinema brasileiro nunca deixou de ser parte da minha vida", diz Santoro

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado (RS)

10/08/2014 14h36

Rodrigo Santoro esteve em Gramado (RS), neste sábado (9), para receber uma homenagem por sua carreira diversificada, mas ele já está de malas prontas. Em setembro,  viaja para os Estados Unidos, onde começa filmar a nova série de J.J. Abrams, "Westworld", criador de "Lost" e diretor no novo "Star Wars".

Na nova produção, estrelada por Anthony Hopkins, o brasileiro viverá um bandido com senso de humor obscuro chamado Harlan Bell. A série de ficção científica e que se passa em um parque de diversões ainda terá Evan Rachel Wood e Jeffrey Wright no elenco.

Santoro participa de séries e filmes fora do Brasil desde 2003, mas diz que agora busca um equilíbrio maior entre os trabalhos no exterior e no Brasil. Isso tudo porque, prestes a fazer 39 anos, ele quer mais estabilidade. "Cada vez mais, estou encontrando um equilíbrio nisso, estou me dividindo de forma melhor. Essa é a minha vontade", disse ao UOL horas antes de subir ao palco do Palácio dos Festivais para receber a homenagem.

Cleiton Thiele/Divulgação/PressPhoto
Rodrigo Santoro se emocionou ao falar de "Bicho de Sete Cabeças", seu primeiro longa: "A Laís [Bodanzky, diretora do filme] me ensinou o que é a relação de confiança entre ator e diretor" Imagem: Cleiton Thiele/Divulgação/PressPhoto
Questionado se sentia cobrado a "assumir um lado" entre ser ator brasileiro ou de Hollywood, Santoro diz que a palavra certa é "questionado" e apenas pela imprensa. "O público em geral sempre torce, mas a imprensa quer saber como eu divido meu trabalho. Eu não divido meu trabalho entre lá e cá. O que eu faço é escolher histórias com as quais me identifico. O lá e o cá fazem parte da mesma estrada", disse ele. "O cinema brasileiro nunca deixou de fazer parte da minha vida", também havia dito Santoro em entrevista coletiva no Festival.

Santoro contou também que o lá (Hollywood) mudou muito em 12 anos, quando fez seu primeiro trabalho nos Estados Unidos, no filme para a TV "Em Roma na Primavera", na qual contracenou com Helen Mirren. "Quando eu cheguei lá, os personagens eram bastante estereotipados, mas o mundo se globalizou, os Estados Unidos passaram por uma forte crise e o mercado se abriu. Há pouco tempo, recebi um roteiro e fiquei procurando pelo Juan, Raul, Javier, Ramirez, mas o nome do personagem era Alex. Achei bacana". Alex é o nome do personagem do filme "O Que Esperar Quando Você Está Esperando", no qual fez par romântico com Jennifer Lopez.

Do lado de cá, Santoro se prepara para o lançamento de "Rio, Eu Te Amo", no qual vive um bailarino clássico e faz par romântico com a Bruna Linzmeyer. "Foi uma experiência incrível, mas eu tive que me virar nos 30", disse ele. Mais precisamente, Santoro teve que aprender balé clássico em apenas dois dias com dois bailarinos do grupo Corpo. "Apesar de fazer yoga, tive que trabalhar outros músculo. No dia seguinte não andava direito". Seu segmento em "Rio, Eu Te Amo", que estreia no dia 11 de setembro foi dirigido por Carlos Saldanha, com quem Rodrigo havia trabalhado na animação "Rio".

Aqui ou lá, Rodrigo quer continuar se arriscando e diz que continua muito curioso como ator. Já no palco para receber o troféu, ele se emocionou e disse que a homenagem é um incentivo em relação aos riscos que assumiu na carreira. "Significa muito para mim. Mesmo".

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
Cinema
Colunas - Flavio Ricco
Topo