Filmes e séries

Filme de guerra "A Estrada 47" leva o Kikito de melhor longa em Gramado

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado

16/08/2014 23h16

O filme de guerra “A Estrada 47”, de Vicente Ferraz, recebeu na noite deste sábado (16) o Kikito de melhor longa-metragem na 42º edição do Festival de Gramado, principal prêmio do cinema brasileiro. Também concorriam na categoria os filmes  “Esse Viver Ninguém me Tira”, “Infância”, “O Segredo dos Diamantes”, “Os Senhores da Guerra”, "A Luneta do Tempo", "A Despedida"  e “Sinfonia da Necrópole”.

Divulgação
Imagem do filme "A Estrada 47", de Vicente Ferraz Imagem: Divulgação
"É o resultado de um trabalho muito grande", disse o diretor Vicente Ferraz ao receber o troféu, ressaltando que o longa é de guerra, filmado na neve, em outro país --o filme se passa na Itália e conta a história de pracinhas brasileiros que lutaram naquele país durante a Segunda Guerra Mundial. "O que ficou marcado foi a participação dos atores", também observou o diretor, elogiando o elenco, que conta com Daniel Oliveira e Julio Andrade, entre outros. Ainda segundo Ferraz, seu filme conta "o lado humano desses jovens brasileiros na terra de ninguém". "Num momento como esse, em que o cinema brasileiro necessita de espaço, partir de um festival como esse é muito importante", finalizou o diretor.

O longa “A Despedida”, por sua vez, levou o prêmio de melhor diretor para Marcelo Galvão e melhor ator e melhor atriz, para Nelson Xavier e Juliana Paes. Ao receber o prêmio de diretor, Galvão agradeceu a seu avô, que o inspirou a fazer o filme. 

Aplaudido de pé

Aplaudido de pé e muito emocionado, Xavier agradeceu a  Marcelo Galvão. “O Marcelo me confiou esse presente”, disse o ator, que, em seu discurso também agradeceu a “equipe maravilhosa” montada pelo diretor, que “criou um ser mágico no qual pude mergulhar com liberdade”. 

Sobre ter sido o único aplaudido de pé na premiação, Xavier disse: "Isso é muito maior do que o Kikito. O prêmio é dado por seis pessoas [que formam o júri], mas o reconhecimento do público é maravilhoso.

Juliana Paes não estava presente na cerimônia. Ao receber o prêmio em seu lugar, Marcelo Galvão, disse: “Agradeço à Juliana por ter confiado em mim”.

Paulo Betti

Outro destaque da premiação foi o primeiro Kikito recebido por  Paulo Betti em sua carreira, na categoria de ator coadjuvante do filme “Infância”, de Domingos de Oliveira, que ganhou também os Kikitos de melhor roteiro e melhor montagem, além de um dos prêmios especiais do júri, para Fernanda Montenegro.

A produtora do filme, Renata Paschoal, foi quem subiu ao palco da cerimônia para receber os Kikitos. Segundo ela, Paulo Betti a mandou agradecer a Domingos de Oliveira por ter trabalhado no filme ao lado de Montenegro. 

Já Andrea Buzato, do épico “Os Senhores da Guerra”, levou o Kikito de melhor atriz coadjuvante.  

Homenagens póstumas

Nesta edição do festival, assim como a Academia de Cinema de Hollywood costuma fazer no Oscar, houve um clipe em homenagem a cineastas e atores mortos neste ano. Foram homenageados no vídeo Eduardo Coutinho, Miguel Ramos, Jorge Dória, Cláudio Cavalcanti, Paulo Goulart e José Wilker.  

Entre outros filmes premiados do festival, está a comédia musical “Sinfonia da Necrópole”, de Juliana Rojas, que levou o prêmio do júri da crítica. Na categoria de melhor longa-metragem latino, o vencedor foi  o uruguaio “El Lugar del Hijo”, de Manuel Nieto. 

Já o Kikito de melhor curta-metragem brasileiro foi para “Se Essa Lua Fosse Minha”, de Larissa Lewandowski, que também levou. O filme mostra o cotidiano de uma rua em Porto Alegre.

Confira abaixo a lista completa da premiação: 

LONGA-METRAGEM BRASILEIRO

Melhor Filme (R$ 65 mil)
“A Estrada 47” – Vicente Ferraz

Melhor Diretor (R$ 15 mil)
Marcelo Galvão – “A Despedida”

Melhor Ator (R$ 10 mil)
Nelson Xavier – “A Despedida”

Melhor Atriz (R$ 10 mil)
Juliana Paes – “A Despedida”

Melhor Filme pelo Júri Popular
Helvécio Ratton – “O Segredo dos Diamantes”

Melhor Roteiro (R$ 10 mil)
Domingos Oliveira – “Infância”

Melhor Fotografia (R$ 10 mil)
Eduardo Makino - “A Despedida”

Melhor Montagem (R$ 10 mil)
Tina Saphira – “Infância”

Melhor Trilha Musical (R$ 5.000)
Alceu Valença – “A Luneta do Tempo”

Melhor Direção de Arte (R$ 5.000)
Moacyr Gramacho – “A Luneta do Tempo”

Melhor Atriz Coadjuvante (R$ 5.000)
Andrea Buzato – “Os Senhores da Guerra”

Melhor Ator Coadjuvante (R$ 5.000)
Paulo Betti – “Infância”

Melhor Desenho de Som (R$ 5.000)
Branco Neskov – “A Estrada 47”

Prêmio de Júri da Crítica
Juliana Rojas – “Sinfonia da Necrópole”

Prêmio Especial do Júri
“Os Senhores da Guerra”

2º Prêmio Especial do Júri
Fernanda Montenegro – “Infância”

LONGA-METRAGEM LATINO

Melhor Filme (R$ 65 mil)
Manuel Nieto – “El Lugar del Hijo”

Melhor Fotografia
Arnaldo Rodrigues – “Las Analfabetas”

Melhor Roteiro
Manuel Nieto – “El Lugar del Hijo”

Melhor Atriz
Paulina García e Valentina Muhr – “Las Analfabetas”

Melhor Ator
Felipe Dieste – “El Lugar del Hijo”

Melhor Diretor
Moisés Sepúlveda – “Las Analfabetas”

Prêmio do júri popular
Joel Novoa Schneider - “Esclavo de Diós”

Prêmio de Júri da Crítica
Hernán Guerschuny - “El Crítico”

FILMES BRASILEIROS DE CURTA-METRAGEM

Melhor Filme (R$ 15 mil)
Larissa Lewandowski – “Se Essa Lua Fosse Minha”

Melhor Diretor (R$ 5.000)
Gustavo Vinagre – “La Llamada”

Melhor Ator (R$ 5.000)
Guilherme Silva – “Carranca”

Melhor Atriz (R$ 5.000)
Rafaela Souza – “Carranca”

Melhor Roteiro (R$ 5.000)
Caio Yossimi – “O Coração do Príncipe”

Melhor Fotografia (R$ 5.000)
Giovana Pezzo – “La Llamada”

Melhor Montagem (R$ 10 mil)
“Sem Título” – “Dance of Leitfossil”

Melhor Trilha Musical (R$ 5.000)
“Sem Título” - “Dance of Leitfossil”

Melhor Direção de Arte (R$ 5.000)
Caio Yossimi – “O Coração do Príncipe”

Melhor Desenho de Som (R$ 5.000)
Guga Rocha – “História Natural”

Prêmio especial do júri
Alan Ribeiro – “O Clube”

Prêmio especial do júri popular
Kyioko Yamashita - “A Pequena Vendedora de Fósforos”

Prêmio Canal Brasil (R$ 15 mil e exibição no canal)
Kyioko Yamashita – “A Pequena Vendedora de Fósforos”

Prêmio Dom Quixote
Moises Sepúlveda – “Las Analfabetas”

Prêmio do Júri da Crítica
Gustavo Vinagre - "La Llamada" 
 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
Topo