Filmes e séries

Confira 5 filmes de Gramado que vão chamar a atenção em 2014 e 2015

Mariane Zendron

Do UOL, em Gramado

18/08/2014 05h00

Os curadores da edição deste ano do  Festival de Gramado Rubens Ewald Filho, Marcos Santuário e Eva Piwowarski mantiveram a diversidade e a qualidade da programação do evento mesmo sem José Wilker, que cuidou da curadoria em 2012 e 2013, ao lado de Ewald e Santuário, e morreu em abril deste ano.

Em oito dias de programação, o festival trouxe filmes latinos, uma extensa mostra gaúcha e curtas de diversas partes do país, mas foi na mostra de longas brasileiros que mostrou todo o seu potencial. O evento abriu com o suspense "Isolados", último filme em que Wilker atuou, exibido fora da competição, e na mesma noite exibiu o drama "A Despedida", sobre o amor de um homem de 90 anos e sua amante, 50 anos mais nova.

Nas noites seguintes, ainda foram exibidos filmes de guerra ("Senhores da Guerra" e "A Estrada 47"), um infanto-juvenil ("O Segredo dos Diamantes"), dois musicais ("Sinfonia da Necrópole" e "A Luneta do Tempo"), outro drama ("Infância"), e, por último, o documentário "Esse Viver Ninguém Me Tira". O UOL selecionou quais desse filmes, que ainda negociam estreia em salas do circuito comercial, merecem a atenção em 2014 e 2015, quando devem estrear.

"A Despedida"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Em seu segundo longa-metragem, Marcelo Galvão (Colegas, 2012) foge do discurso politicamente correto da terceira idade para contar a história de amor de um homem de 90 anos e mulher 50 anos mais nova. Nelson Xavier dá vida ao homem que usa fraldas geriátricas, tem problemas de audição e precisa de um andador para se locomover, mas que não perdeu a libido e ainda é capaz de viver momentos quentes com sus amante, vivida por Juliana Paes. 

"O Segredo dos Diamantes"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Diretor de "A Dança dos Bonecos" e "Menino Maluquinho", Helvécio Ratton volta ao gênero infanto-juvenil ao trazer um trio mirim que começa uma caça ao tesouro para salvar o pai de um deles, que se acidentou e espera transferência para um hospital caro. Apesar de ser direcionado às crianças e aos adolescentes, o filme é capaz de encantar todas as faixas etárias, além de trazer, sem forçar a barra, as paisagens, a cultura e o sotaque do interior de Minas Gerais.

"A Luneta do Tempo"

Reprodução
Imagem: Reprodução

O primeiro filme dirigido por Alceu Valença enche a tela de cor, música popular e cordel ao contar o conflito entre o cangaço e o poder através de gerações. O casal mais famoso do cangaço, Lampião e Maria Bonita, é vivido por Irandhir Santos e Hermila Guedes. Ambos mais uma vez encantam na interpretação. Como em uma ópera, Alceu ritmou todos os sons do filme: pássaros, tiros, diálogos e músicas e trouxe um longa autoral e que resgata a cultura popular nordestina.

"A Sinfonia da Necrópole"

Reprodução
Imagem: Reprodução

A diretora Juliana Rojas ("Trabalhar Cansa") diz que sempre foi fascinada por cemitérios e que se interessa por contar a vida das pessoas que trabalham nesses lugares. Como se trata de um local mórbido, ela decidiu fazer uma comédia musical bastante paulistana, com canções inspiradas em Adoniran Barbosa e no rock dos anos 1980. O filme ainda ganha muito com uma história de amor torta entre um aprendiz de coveiro (Eduardo Gomes) e uma agente funerária (Luciana Paes).

"Esse Viver Ninguém Me Tira!"

Reprodução
Imagem: Reprodução

Em sua estreia como diretor, o ator Caco Ciocler volta às suas origens judaicas para contar a história da brasileira que facilitou a entrada de muitos judeus no Brasil. Aracy de Carvalho Guimarães Rosa. Mulher do escritor João Guimarães Rosa, ela trabalhava no controle de passaportes em Hamburgo e contrariou as normas de não liberar vistos para judeus alemães. Por ter alguma ligação pessoal com o tema, Ciocler aparece dando seu depoimento ou revelando suas impressões.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo