Topo

Filmes e séries


Em cena com Wagner Moura, Selton Mello diz que voltou a ter tesão em atuar

Natália Engler

Do UOL, no Rio

08/10/2014 10h12

Dois dos principais nomes do cinema nacional vão, finalmente, se encontrar nas telas a partir desta quinta-feira (9), e o responsável pela união nas telas é um cineasta estrangeiro. O britânico Stephen Daldry (de "Billy Elliot") conseguiu juntar Wagner Moura e Selton Mello, mesmo que para apenas uma cena, em "Trash - A Esperança Vem do Lixo", filmado no Rio de Janeiro.

"A gente se conhece de muitos carnavais, temos vários amigos em comum. Já fizemos um filme juntos em que a gente não se encontrava, o 'Nina' [2004, de Heitor Dhalia]. E neste ['Trash'] temos uma cena, alguns segundos na tela, e foi ótimo", conta Selton Mello. "Era uma cena super difícil, super delicada, sobretudo para ele [Wagner]. Precisava de uma concentração gigante, de uma maquiagem enorme, que até machucou o olho."

Na cena descrita, o policial corrupto e vilão do filme Frederico (Selton) comanda uma sessão de tortura em José Angelo, personagem de Wagner, que roubou documentos e muito dinheiro de um deputado corrupto. São apenas alguns segundos, que devem, no entanto, fazer com que o público peça por mais. "A gente brincou que foi até bom, porque guardamos para fazer um outro filme", diz Selton. "Tenho o maior desejo de juntar forças com o Wagner a hora que for. E isso vai acontecer já, já. Assim que a gente arrumar tempo."

"Ficou ainda uma surpresinha para a gente fazer", completa Wagner. "Porque eu e o Selton já tínhamos falado muito disso, de a gente fazer alguma coisa juntos, se encontrar para pensar o que seria isso. E aí rolou 'Trash'", conta o ator, lembrando que o encontro quase não aconteceu. "É curioso que essa cena não estava no roteiro, não estava no filme. A gente fez o filme todo e depois teve uma refilmagem. Dois meses depois, a gente fez essa cena."

Adaptado do livro de mesmo nome de Andy Mulligan, "Trash" acompanha três garotos que vivem em um lixão e encontram uma carteira, pertencente a José Angelo (Wagner). O objeto é procurado pela polícia por conter a chave para descobrir o esconderijo de milhares de reais e documentos que comprometem um deputado corrupto.

"Eu fiquei surpreso quando assisti, porque, na verdade, o personagem está muito mais no filme do que eu pensava", diz Wagner sobre seu José Angelo. "Na verdade, eu gravei quatro ou cinco cenas. O Stephen desmembrou e foi me botando em pedaços do filme, em flashbacks. Ele é mais uma memória das crianças, o espírito dele meio que guia aquelas crianças. É um cara que, do jeito dele, fez a coisa que ele julgava ser certa."

Divulgação
O diretor Stephen Daldry dirige cena de "Trash: A Esperança Vem do Lixo" Imagem: Divulgação

Stephen Daldry

O grande motivador do encontro dos dois atores foi o cineasta inglês, que ambos dizem ser o motivo para querer estar no filme. "Qualquer ator do mundo quer trabalhar com esse cara", acredita Wagner. "Meu personagem é bem pequeno, mas os poucos dias que eu filmei com ele engrandeceram muito o meu trabalho, o jeito de ver o que eu faço. Eu fiquei muito feliz com o resultado".

"Eu voltei a ficar com tesão de atuar, que há algum tempo eu já não tinha, para ser bem sincero", diz Selton. "Ele é um diretor que eu admiro muito, que dirigiu filmes que eu amo. E esse diretor extraordinário vem fazer um filme no Rio. Então foi ótimo, um privilégio, uma sorte."

Tentando explicar o que é tão especial no trabalho de Daldry, Wagner aponta a experiência do cineasta com teatro. "É um diretor que está acostumado a trabalhar com o ator em um nível mais profundo. E ele te dá muita liberdade, muita confiança, acredita muito nos atores, te dá muita corda", explica. "Teve essa coisa de ele não falar português, e era bonito ver como o ouvido dele funcionava intuitivamente se alguma coisa estava desafinando, estava errada. Eu via ele dirigindo a cena como se estivesse regendo. Como se a cena tivesse uma música, um ritmo."

Selton conta que virou tiete no set, escutando histórias de Daldry, mas também aproveitou para aprender com o estilo do cineasta algo que poderá aproveitar ao dirigir seus filmes. "Com certeza eu fiquei bem ligado na maneira como ele trabalha, que é muito próxima dos atores, por ele vir do teatro. E bem ligado na maneira como ele experimenta, como decupa uma cena. Fiquei bem de olho, para ver se eu aprendo mais e mais", diz o ator.

Próximos projetos

Depois de "Trash", os dois atores já estão com a agenda cheia. Wagner veio direto da Colômbia, de bigode e permanente no cabelo, praticamente ainda caracterizado como o traficante Pablo Escobar, que ele interpreta em uma série para a plataforma online Netflix. Depois da série, ele começa a se dedicar à sua estreia na direção, a cinebiografia do guerrilheiro Carlos Marighela, cujo roteiro será assinado pelo co-roteirista de "Trash", Felipe Braga. As filmagens devem começar no início de 2016.

Selton, por sua vez, já está procurando o elenco para seu terceiro filme como diretor, "O Filme da Minha Vida", baseado no livro chileno "Um Pai de Cinema", de Antonio Skármeta ("O Carteiro e o Poeta"). O projeto está programado para ser rodado no início de 2015, na Serra Gaúcha. Na sequência, Selton ainda tem nos planos uma produção argentina e um projeto com Seu Jorge chamado "Soundtrack", que deve ser filmado no segundo semestre de 2015.

Trailer do filme "Trash - A Esperança Vem do Lixo"

UOL Entretenimento