Filmes e séries

Rodado no Vietnã, curta de paulista pré-candidato ao Oscar pode virar longa

Mariane Zendron

Do UOL, em São Paulo

26/11/2014 13h17

Primeira coprodução Brasil-Vietnã e pré-candidato ao Oscar, o curta-metragem "O Caminhão de Meu Pai", do diretor paulista Mauricio Osaki, pode dar origem a um longa. Segundo o cineasta, existe um projeto para isso. 

"Estamos tentando entrar nos editais de desenvolvimento no Brasil, mas  é uma logística difícil", contou ao UOL o diretor, por telefone, direto da China, onde se prepara para filmar seu trabalho de conclusão do curso de cinema na Universidade de Nova York.

Apesar de contar com a equipe brasileira, o filme não contou com nenhum recurso do país de origem de Osaki. O filme chegou a lista de pré-indicado sem campanhas e permanecerá assim, segundo o diretor, os custos são muito altos. 

Se a notícia da pré-indicação ao Oscar pode ajudar Osaki a acelerar a produção do longa-metragem, ele diz que ainda é cedo para dizer. Curtas-metragens que viram longas, no entanto, não são novidade do Brasil.

De Daniel Ribeiro, "Hoje Eu Quero Voltar Sozinho", que concorre a uma vaga na categoria de melhor filme estrangeiro no Oscar 2015, nasceu como o curta "Eu Não Quero Voltar Sozinho", de 2010.

Traços brasileiros

À primeira vista, "O Caminhão do Meu Pai", que foi rodado em Hanói, capital do Vietnã, com atores locais, tem pouco de Brasil. No entanto, um olhar mais atento garante que o filme possui, sim, alguns traços tupiniquins. 

"O diretor de fotografia [Pierre de Kerchove] e a assistente de direção [Flávia Guerra] são brasileiros, assim como eu. Há colegas da universidade na equipe também, e os atores são vietnamitas. Essa miscigenação da equipe é uma característica bem brasileira", diz Osaki. 

Engana-se também quem pensa que as paisagens asiáticas não têm nada a ver com as brasileiras. Apesar de ter nascido em São Caetano, no ABC paulista, o diretor passou a infância no interior dos Estados do Pará, de Goiás e do Amapá. "Meu pai é engenheiro, e ficávamos mudando de cidade a cada novo projeto."

Quando chegou ao Vietnã para rodar o filme, em janeiro de 2012, as ruas de terra e os restaurantes à beira da estrada que encontrou reacenderam a memória de infância do cineasta. "O Brasil é muitos países em um só, mas nos dois lugares existe essa coisa árida e muito viva ao mesmo tempo, onde as pessoas são por elas mesmas. Minha mãe fervia a água para podermos beber, tirava aranhas da casa. Eu cresci nesse ambiente."

A trama
O curta --no qual todos os personagens têm os mesmos nomes dos atores-- conta a história de Mai Vy, uma garota de dez anos que passa a odiar os meninos da escola após uma perseguição que termina mal. Ela pede para passar o dia com o pai, que transporta agricultores pelas plantações, mas acaba descobrindo que, além disso, ele também leva cães para um abatedouro.

Quando esteve em São Paulo para apresentar o filme no Festival de Curtas Kinoforum, em agosto deste ano, Osaki pensou que a violência contra os animais pudesse ser um problema para os espectadores, "mas as pessoas entendem que é essencialmente sobre a relação complexa de pai e filha. Existe um amor duro ali, mas há amor".

Divulgação
O diretor Mauricio Osaki (centro) posa para fotos com os atores Mai Vy e Trung Anh de "O Caminhão do Meu Pai" Imagem: Divulgação
Os atores
Com a ideia de falar sobre essa relação familiar num contexto de trabalho infantil, Osaki queria um menino para o papel da criança, mas não encontrou. Quando resolveu abrir o casting para meninas, surgiu a pequena Mai Vy, que fala inglês fluentemente. Ela também adora bichos e ganharia um cachorro de Natal, o que ajudou na carga dramática. Hoje, Osaki não sabe o que o filme seria sem ela. 

Já o ator que faz o pai, Trung Anh, não falava uma palavra de inglês, mas, como tinha muita experiência com teatro, entendeu a essência do personagem rapidamente. Osaki diz que o ator certamente estará na versão longa do projeto, caso seja realizada, já que eles acabaram ficando amigos. No entanto, a pequena Mai Vy deve ser substituída por outra criança, pois a atriz, quase três anos depois, já é pré-adolescente.

Com o projeto de conclusão do curso de cinema e a ideia do longa, Osaki, cujos avós são japoneses, deve ficar mais um tempo trabalhando no Oriente. "Sou brasileiro e quero fazer filmes no meu país também, claro, mas acho que eu vou ficar para sempre entre Brasil e Ásia." 

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
AFP
do UOL
do UOL
Reuters
Reuters
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
redetv
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Topo