Topo

Filmes e séries

Cancelado, "A Entrevista" ganhará paródia pornográfica feita pela Hustler

Do UOL, em São Paulo

20/12/2014 17h54

O polêmico filme “A Entrevista”, que teve a estreia cancelada pela Sony Pictures nesta semana após uma ameaça terrorista, ganhará uma paródia pornográfica feita pela Hustler, tradicional produtora de filmes adultos.

De acordo com a revista “Entertainment Weekly”, o filme se chamará “This Ain’t the Interview XXX” (“Essa não é a entrevista”, em tradução livre) e deve começar a ser produzido em 2015. A história será a mesma do original, sobre dois civis que são enviados à Coreia do Norte para matar King Jong-un, ditador do país.

Larry Flynt, CEO da Hustler, disse em comunicado oficial que não tem medo de retaliações por parte da Coreia do Norte: “Se Kim Jong-un e seus seguidores estavam chateados antes, espere até eles verem esse filme que nós iremos fazer. Eu passei a vida inteira lutando pela Primeira Emenda, e nenhum ditador estrangeiro vai tirar o meu direito à liberdade de expressão”.

O que é o #SonyLeaks?

  • Divulgação

    Ataque hacker à Sony revela intrigas de Hollywood

    Vítima de um ataque digital sem precedentes na história de Hollywood, os estúdios Sony vêm passando por uma série de constrangimentos com a divulgação de informações confidenciais sobre atores, diretores e vários de seus funcionários. Saiba o que já saiu na imprensa.

"A Entrevista" gerou críticas do governo norte-coreano desde seu anúncio, e sua estreia foi cancelada na última quarta-feira, após ameaças de ataques terroristas aos cinemas que exibissem o longa. "A Sony Pictures não tem planos futuros de lançamento para o filme", disse o porta-voz do estúdio.

A estreia da comédia também está cancelada "até segunda ordem" no Brasil, de acordo com a assessoria de imprensa da Sony no país. O filme estava programado para estrear em circuito nacional no dia 29 de janeiro.

FBI acusa Coreia do Norte por ataque; país nega

O FBI, órgão federal de investigação dos Estados Unidos, anunciou nesta sexta-feira (19) que a Coreia do Norte foi responsável pelo ataque hacker à Sony Pictures.

"Como resultado da nossa investigação e em colaboração com outros departamentos e agências do governo, o FBI agora tem informações suficientes para concluir que o governo da Coreia do Norte é responsável por essas ações", disse a agência em comunicado. "Estes atos de intimidação são um comportamento inaceitável de um Estado", acrescentou o texto.

Segundo o FBI, a conclusão se baseia em análise técnica do malware usado no ataque, que tem ligação com o programa usado por agentes coreanos em outras ocasiões. Além disso, também foram identificadas coincidências entre a infraestrutura usada no ataque e outras ações cibernéticas maliciosas que o governo americano atribui diretamente à Coreia do Norte.

Neste sábado, a Coreia do Norte negou o envolvimento nos ataques virtuais e propôs uma investigação conjunta sobre o caso. "Sem recorrer a tais torturas como foram utilizados pela CIA, temos meios para provar que este incidente não tem nada a ver com a gente".

A declaração disse que haveria "graves consequências" caso os americanos rejeitassem a oferta de investigação.

Nova ameaça

Nesta sexta, depois do anúncio do cancelamento da estreia, os hackers fizeram novas ameaças, exigindo que o filme jamais seja "lançado, distribuído ou vazado em qualquer formato como, por exemplo, DVD ou pirataria".

Por conta do caso, a Fox divulgou também que não irá lançar em março, como previsto, o longa "Pyongyang", do diretor Gore Verbinski, estrelado por Steve Carell. Baseado na graphic novel de Guy Delisle, o suspense retrata experiências de um ocidental que trabalha na Coreia do Norte por um ano.

"É muito sábio da parte de vocês que tenham tomado a decisão de cancelar o lançamento de 'A Entrevista'", disse a mensagem, segundo a CNN. "Nós garantimos a segurança dos seus dados, a menos que vocês criem problemas adicionais."

"E queremos que tudo relacionado ao filme, incluindo seus trailers, bem como a sua versão completa em qualquer site de hospedagem seja deletado imediatamente".