Filmes e séries

Justiça da Califórnia nega nova apelação de Polanski para anular condenação

Alberto Pizzoli/AFP Photo
Roman Polanksi posa para os fotógrafos no Festival de Cannes (21/5/12) Imagem: Alberto Pizzoli/AFP Photo

Do UOL, em São Paulo*

24/12/2014 17h50

Roman Polanski perdeu sua mais recente apelação à Justiça da Califórnia para anular o caso de abuso sexual de uma menor de idade em que o ator e diretor se envolveu em 1977, quando vivia em Los Angeles.

De acordo com documento assinado pelo juiz James Brandlin, as alegações que o cineasta faz sobre irregularidades no processo não podem ser acolhidas já que Polanski é considerado fugitivo nos Estados Unidos. O ator deixou o país em 1977 para escapar da prisão, logo após ter se declarado culpado pelo crime. Um advogado do ator disse que não comentaria a decisão judicial, segundo a AP.

Segundo o juiz, Polanski precisaria voltar aos EUA para tentar defender sua apelação.

Na época do crime, o ator se declarou culpado depois de fazer um acordo com a promotoria. Ele foi orientado a se submeter a avaliações psiquiátricas em um instituto prisional, onde de fato ficou por 42 dias. A defesa de Polanski alega que o cineasta entendeu que o tempo em que ficou na prisão seria considerado como a punição pelo crime, mas um juiz não entendeu assim e ordenou que ele voltasse. Foi então que Polanski fugiu para a França.

Sem voltar aos EUA desde então, o cineasta vem tentando reverter a punião desde 2008. Diversas tentativas do governo da Califórnia de extraditá-lo foram fracassadas. Em 2009, o cineasta chegou a ser preso na Suíça quando visitava o país para receber um prêmio. Ele passou 290 dias preso, boa parte deles em prisão domiciliar.

Em outubro deste ano, autoridades norte-americanas emitiram novo pedido de extradição, desta vez à Polônia, mas o país de nascimento do ator se negou a fazê-lo. Neste último pedido, no entanto, os norte-americanos deixaram de citar que ele já havia cumprido 42 dias de pena em 1977, o que foi considerado irregular pelos advogados de Polanski, para quem "a omissão deliberada (...) foi calculada para fazer o governo polonês acreditar que Polanski é 'extraditável'" segundo acordos diplomáticos firmados pelos dois países.

Polanski é vencedor do Oscar de melhor diretor por "O Pianista", de 2002, filme em partes autobiográfico que relata a luta pela sobrevivência de um artista na Polônia ocupada pela Alemanha nazista.

* Com informações da Associated Press.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
Cinebiografia a caminho
Reuters
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
Roberto Sadovski
redetv
redetv
do UOL
EFE
EFE
do UOL
do UOL
Cinema
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
EFE
EFE
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
redetv
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Jogos
Reuters
do UOL
EFE
do UOL
do UOL
AFP
Topo