Filmes e séries

Documentário de Walter Salles é selecionado para o Festival de Berlim

Divulgação
Cena do documentário "Jia Zhangke, um Homem de Fenyang", de Walter Salles Imagem: Divulgação

Do UOL, em São Paulo

20/01/2015 12h42

A organização do 65º Festival de Berlim anunciou nesta terça-feira (20) os documentários selecionados para a mostra Panorama, e entre eles está o novo filme do cineasta brasileiro Walter Salles, "Jia Zhangke, um Homem de Fenyang".

"Jia Zhangke" debruça-se sobro o trabalho do cineasta chinês conhecido por filmes como "Um Toque de Pecado" (2013) e "Em Busca da Vida" (2006). O documentário teve sua primeira exibição durante a Mostra de São Paulo, em outubro de 2014, com a presença de Salles e Zhangke.

Tiziana Fabi/AFP Photo
Walter Salles posa com o diretor chinês Jia Zhangke e a atriz Zhao Tao no tapete vermelho do Festival de Roma 2014 Imagem: Tiziana Fabi/AFP Photo

Em comunicado, a organização do festival descreveu diretor e personagem como "dois artistas extraordinários, ambos cineastas cujas carreiras começaram em Berlim", e afirmou que o documentário é um "retrato afetuoso" de Zhangke por Salles.

"O primeiro filme de Jia, 'Xiao Wu', estreou em Berlim no mesmo ano em que 'Central do Brasil' competiu no festival, 1998", lembrou Salles, em comunicado à imprensa. "Cada novo filme de Jia Zhangke reforçou a sensação de que ele se tornou o cineasta mais importante em atividade, aquele que melhor traduz o nosso tempo. É dessa percepção que surge 'Um homem de Fenyang'.  Estar de volta a Berlim com um documentário sobre o cineasta extraordinário que é Jia Zhangke é uma honra. É como se um círculo se fechasse".

Zhangke também comentou a seleção: “Foi através desse festival que nós dois tomamos conhecimento do trabalho um do outro e iniciamos nosso contato. Sou grato ao Walter por mostrar meu trabalho com a obra dele. E este documentário será exibido no local onde nos conhecemos – o Festival de Berlim, e isso é um marco na minha vida. Berlim foi meu ponto de partida . Este documentário conta às pessoas o que passou na minha cabeça enquanto vagueava pelo mundo do cinema”, afirmou o chinês.

O filme tem previsão de estrear no Brasil em abril.

A mostra Panorama faz parte da programação paralela do evento alemão e filmes inéditos na Europa, com prêmios escolhidos pelo público e pela crítica.

Além de "Jia Zhangke, um Homem de Fenyang", os longas de ficção "Ausência", de Chico Teixeira, "Que Horas Ela Volta?", de Anna Muylaert, e "Sangue Azul, de Lírio Ferreira, serão exibidos na Panorama. Outras duas produções nacionais também foram selecionadas para mostras do evento alemão: o longa "Beira-Mar" integra a sessão Forum, e o curta-metragem "Mar de Fogo" vai disputar o Urso de Ouro do formato.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

do UOL
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
BBC
do UOL
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
UOL Entretenimento
Cinema
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
Cinema
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
Topo