Filmes e séries

Morre diretor de "Para Sempre Alice", que deu Oscar a Julianne Moore

Alberto E. Rodriguez/Getty Images
12.nov.2014 - Os diretores Richard Glatzer (em cadeira de rodas) e Wash Westmoreland posam com a atriz Julianne Moore, durante o AFI Fest 2014, antes da exibição especial de "Para Sempre Alice" Imagem: Alberto E. Rodriguez/Getty Images

Do UOL, em São Paulo

11/03/2015 19h01

Richard Glatzer, roteirista e diretor do filme "Para Sempre Alice", que estreia nesta quinta (12) no Brasil, morreu em decorrência de complicações respiratórias na tarde desta quarta (11).

Ele sofria dos males da esclerose lateral amiotrófica (ELA) e havia dirigido o filme em conjunto com seu marido Wash Westmoreland, informa o site do "Hollywood Reporter". Ele tinha 62 anos.

O filme deu o Oscar de melhor atriz a Julianne Moore neste ano pelo papel de uma mulher que sofre do mal de Alzheimer precoce. A atriz postou uma mensagem no Twitter dizendo "I Love You Richard". 

Glatzer e Westmoreland adaptaram "Para Sempre Alice" de um romance de Lisa Genova. Pouco antes de eles assumirem o projeto, em 2011, Glatzer foi diagnosticado com ELA, e a doença avançou rapidamente. Ainda assim, ele nunca perdeu um dia de filmagem.
 
No final, Glatzer era capaz de se comunicar apenas usando o dedão do seu pé direito em um iPad especialmente projetado.
 
 
"Minha condição médica fez a leitura do livro muito difícil para mim", disse ele em entrevista recente. A esclerose lateral amiotrófica é recentemente ganhou uma campanha que rodou o mundo, inclusive o Brasil, em que pessoas comuns e personalidades apareciam jogando um balde de gelo na cabeça.
 
"Do meu ponto de vista, a única coisa que o filme faz é olhar para o papel de um cuidador", disse Westmoreland em uma entrevista de janeiro. "Isso é, certamente, a minha própria vida agora. Eu sou principalmente um cuidador. Quando você está cuidando de alguém que está doente no dia a dia, cuidando de todas as necessidades que eles têm, pode ser muito, muito difícil. E fazer o filme e agora vê-lo, me inspira a fazer melhor, servir melhor, amar melhor, a ser mais emocionalmente presente. Pode parecer bobagem que eu busque inspiração em meu próprio filme, mas eu faço isso."
 
Glatzer e Westmoreland se conheceram em 1995 e se casaram em 2013.
 
 
Eles fizeram o seu primeiro filme em 2006, com "Quinceañera", sobre uma garota latina de 14 anos de idade, grávida (Emily Rios) crescendo bairro Echo Park, de Los Angeles. O drama levou o Grande Prêmio do Júri e o Prêmio do Público no Sundance Film Festival.
 
Dirigiram ainda "The Last of Robin Hood" (2013), um drama estrelado Kevin Kline interpretando o ator Errol Flynn envelhecido, e "The Fluffer" (2001), sobre os bastidores da indústria pornô .
 
Nascido em Nova York, Glatzer recebeu um Ph.D. em Inglês pela Universidade de Virginia e ensinou roteiro em Nova York, na Escola de Artes Visuais e na New School.
 
Glatzer também produziu o reality show "America´s Next Top Model", estrelado pela modelo Tyra Banks.
 

[11/03/2015 22:50] James Cimino:

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Facebook Messenger

Receba as principais notícias do dia. É de graça!

Chico Barney
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski

Roberto Sadovski

As 25 melhores histórias em quadrinhos da Liga da Justiça

Pincelar as melhores histórias da Liga da Justiça é um trabalho complexo. Não pela falta de qualidade, mas pelo contraste: muita coisa entre os primórdios da equipe e o final dos anos 80 tem mais valor por sua inegável importância histórica do que por seus predicados artísticos. O gibi da Liga, afinal, viveu por anos na sombra da animação Superamigos, e isso deixou o tom das histórias mais ingênuo e infantil até a reformulação pós-Crise nas Infinitas Terras. Mas garimpar todas as fases em décadas de aventuras trouxe boas surpresas e ótimas descobertas - além do perceber que, em boas, mãos, a Liga pode ser incrível! A leitura rendeu algumas conclusões. Primeiro, não há absolutamente nada errado em usar histórias de super-heróis para fazer humor! Segundo, o horrendo período dos Novos 52, que privilegiou forma, ignorou substância e fez um flashback sinistro dos primórdios da Image Comics nos anos 90 (urgh), não foi tão cruel com a Liga. Terceiro, pouca gente escreve e entende os herói tão bem quanto Grant Morrisson e Mark Waid. No mais, a Liga da Justiça, em usas diversas encarnações, ainda é aposta certeira quando o assunto é entretenimento - afinal, só uma equipe criativa muito canhestra poderia melar uma mistura de personagens e personalidades e superpoderes tão diversa e tão bacana! Acredite, se os super-heróis mais lendários do mundo sobreviveram a Extreme Justice, nada é capaz de derrotá-los!

Cinema
Colunas - Flavio Ricco
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
TV e Famosos
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
Cinema
Topo