Filmes e séries

Com efeitos de tirar o fôlego, "Insurgente" se distancia de "Jogos Vorazes"

Guilherme Solari

Do UOL, em São Paulo

Lançado em 2014, o filme "Divergente" fez sucesso nos cinemas, mas foi considerado por muitos um clone empobrecido de "Jogos Vorazes". Já o novo filme da saga, "Insurgente", que chega aos cinemas nesta quinta (19) com ares de superprodução, se distancia da série protagonizada por Jennifer Lawrence.

Se no primeiro filme a protagonista Tris (Shailene Woodley) era uma adolescente insegura que aprendia a lidar com sua posição de "divergente" --no filme, pessoa que não possui características de apenas uma das castas apresentadas na história--, ela agora é uma líder rebelde segura de si. Caçada pelo governo central liderado por Jeanine (Kate Winslet), a jovem encabeça uma rebelião para derrubar o regime totalitário.

A própria Shailene Woodley parece mais madura em sua fase após "A Culpa é das Estrelas". Atuando em filmes de maior densidade, como a cinebiografia "Snowden", que deve ser lançada ainda em 2015, a atriz mostra hoje  posicionamento ativo em questões políticas. E, se muitas vezes o termo "personagem feminina forte" é utilizado para definir qualquer mulher boa de briga, em "Insurgente" ele de fato cabe de fato em Tris, que faz suas próprias escolhas, contrariando opiniões e arcando com as consequências.

O universo da série, porém, continua não fazendo muito sentido. A sociedade pós-apocalíptica que se formou nos destroços de Chicago se dividiu em castas que mais parecem panelinhas do colegial: Abnegação ("comunistas"), Amizade ("hippies"), Audácia ("atletas"), Erudição ("nerds") e Franqueza ("debatedores"). E, por algum motivo, quem não se enquadra em um desses nichos é uma ameaça para a sociedade e deve ser caçado e exterminado.

Trailer de "A Série Divergente - Insurgente"

Fora o tema da protagonista liderando uma rebelião, mesmo mote de "Jogos Vorazes", "Insurgente" traz alguns truques na manga que o diferenciam da série inspirada nos livros de Suzanne Collins. Há cenas em que a protagonista tem sonhos e alucinações, em que ela realiza acrobacias impossíveis, sem tornar a ação inverossímil. Algumas dessa sequências são de tirar o fôlego, como quando a casa de Tris sai voando, em chamas, e ela tenta salvar sua mãe.

As cenas de ação estão muito mais competentes em comparação com "Divergente", o que mostra que o orçamento turbinado do segundo filme, de US$ 110 milhões, foi bem aproveitado --o do primeiro foi de US$ 85 milhões. Fora isso, o longa original tinha um certo ar de "Malhação". Já "Insurgente" chega como uma superprodução atraente para um público mais amplo. Mesmo assim, é recomendável assistir a "Divergente" antes, ao menos para entender o funcionamento do sistema de castas e o porquê de os personagens estarem sendo caçados.

O filme traz boas atuações de Shailene Woodley e de Theo James, que vive o personagem Four, assim como o retorno de Jai Courtney, Mekhi Phifer, Ansel Elgort e Miles Teller. O último é hoje outro astro em ascensão, após sua atuação em "Whiplash". Naomi Watts completa o elenco como Evelyn, a misteriosa líder dos sem-facção, que pode tomar o papel de vilã da série.

"Insurgente" tem tudo para ampliar o sucesso do primeiro filme, que arrecadou cerca de US$ 290 milhões. O estúdio Lions Gate também já divulgou que vai seguir a estratégia de franquias jovens como "Crepúsculo" e "Jogos Vorazes" e dividir o terceiro livro da série, "Convergente", em duas partes, com previsões de lançamento para 2016 e 2017.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
AFP
Reuters
do UOL
Reuters
do UOL
Da Redação
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
Blog do Matias
do UOL
AFP
Colunas - Flavio Ricco
Colunas - Flavio Ricco
Roberto Sadovski
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
EFE
Colunas - Flavio Ricco
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
AFP
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
Cinema
Blog do Nilson Xavier
do UOL
Reuters
EFE
AFP
do UOL
Reuters
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Da Redação
do UOL
do UOL
UOL Cinema - Imagens
Topo