Filmes e séries

"Ele sabia que estava próximo do fim", diz Moreira Salles sobre Coutinho

Tiago Dias

Do UOL, em São Paulo

07/05/2015 09h06

Em seu último filme, o diretor Eduardo Coutinho trava um diálogo sobre a vida e a morte com um dos estudantes do ensino médio de escolas públicas do Rio de Janeiro. O rapaz divaga sobre o amor trágico: “A vida é amar ou morrer”, sentencia. Coutinho intervém, sempre com o cigarro entre os dedos. “Não, é amar e morrer. Não existe ‘ou’. São os dois”.

“Últimas Conversas”, que estreia nesta quinta-feira (7), dá voz e um espaço inédito para a juventude brasileira, com depoimentos de alunos do terceiro colegial sobre bullying, cotas, amores e família, mas também joga luz no próprio Coutinho, morto em 2 de fevereiro do ano passado, quando finalizava as filmagens. Ao mesmo tempo em que o cineasta debate medos, amores e frustrações com os entrevistados, as filmagens mostram sua própria busca em dialogar com o mundo.

Pesquisador da fala e da memória, Eduardo Coutinho tinha receio de que a matéria-prima básica de seu trabalho, o componente ficcional das recordações, ficasse comprometida com os jovens. Diferente dos mais velhos, eles vivem o presente e não guardam a mesma relação com o passado. Em certo momento, quando versa sobre o assunto, Coutinho fala em desistir do processo. “É melhor não fazer do que ter um filme de 70 minutos em que não se acredite", diz, durante o filme. “Devia ter feito com crianças”.

O diretor de 80 anos ainda carregava outas angústias menos circunstanciais. “Ele sabia que estava se aproximando do fim. A saúde estava frágil, a alma parecia desconectada das coisas. O cinema sempre lhe dera uma conexão com o mundo, e agora isso parecia não funcionar mais. Ele temia estar perdendo a ligação com a vida”, explica o amigo e produtor dos filmes de Coutinho, João Moreira Salles.

Salles sobre Coutinho

  • Divulgação

    Ele sabia que estava se aproximando do fim. A saúde estava frágil, a alma parecia desconectada das coisas. O cinema sempre lhe dera uma conexão com o mundo, e agora isso parecia não funcionar mais. Ele temia estar perdendo a ligação com a vida

    João Moreira Salles, sobre os últimos dias de Coutinho, durante a filmagem de "Últimas Conversas"
Discípulo mais fiel de Coutinho, Salles começou a finalizar o filme junto com a montadora Jordana Berg dias depois do enterro do cineasta. Sem abandonar o tema inicial proposto por Coutinho, eles fizeram de “Últimas Conversas” o longa-metragem possível diante da fatalidade. Uma espécie de testamento do cineasta. Em uma cena já antológica, o diretor finalmente conversa com uma criança. É o arco do filme. “O encontro luminoso das duas pontas da vida”, observa Salles.

UOL - O filme abre com Eduardo Coutinho preocupado com o rumo que o filme pode tomar. Não era a primeira vez que o diretor se via, durante as filmagens, em uma encruzilhada. Como costumava ser esse processo – a descoberta do filme durante a produção -- para Coutinho?
João Moreira Salles - Dessa vez a coisa era um pouco diferente. Coutinho enfrentava vários problemas ao mesmo tempo. O mais circunstancial deles dizia respeito ao filme. O cinema dele é feito de pessoas que relatam a vida passada. A presença do tempo é imensa, com tudo o que o tempo faz à memória. Quando maior o espaço entre a experiência e a memória da experiência, maior o componente ficcional dessas recordações. Essa camada de invenção era central ao cinema dele. Aqui, isso não existe. Para jovens, o presente é mais vivo do que o passado. O cinema dele resistiria a isso? As outras angústias diziam respeito a questões profundas, de vida e de morte. Ele sabia que estava se aproximando do fim. A saúde estava frágil, a alma parecia desconectada das coisas. O cinema sempre lhe dera uma conexão com o mundo, e agora isso parecia não funcionar mais. Ele temia estar perdendo a ligação com a vida. O arco do filme mostra que o temor foi superado.

Quanto tempo depois da morte do diretor você e a Jordana Berg sentaram para trabalhar no filme? Você sabia qual era o filme que o Coutinho tinha em mente?
Na mesma semana. Talvez dois ou três dias depois do enterro dele. Os primeiros dias de trabalho – ao menos, os meus – foram dedicados a ver todo o material. Em seguida, Jordana e eu conversamos sobre cada um dos personagens. A nos guiar, tínhamos as anotações que Coutinho fizera à margem da transcrição do material e também nossa longuíssima convivência com ele.

Vocês disseram que chegaram a finalizar uma versão diferente do filme que estreia nesta semana. Como era esse primeiro corte e por qual razão ele foi modificado?
A pergunta que se impôs desde logo foi a seguinte: que filme estamos fazendo? Aquele que se aproxima de “um filme de Coutinho”, ou um filme feito desde nosso ponto de vista, a partir do material filmado por ele? Os seis primeiros meses foram dedicados a realizar o primeiro filme. Jordana e eu conhecemos suficientemente bem a obra dele para afirmar que esse corte, que ficou pronto, provavelmente não divergiria muito do filme que ele teria realizado. Quando demos essa etapa por concluída, achamos que devíamos tentar o segundo filme, que no fundo é o único do qual podemos assumir a responsabilidade. Prevaleceu esse segundo filme.

Coutinho acreditava que os adolescentes já vinham “castrados” para a entrevista e que isso prejudicaria o filme. Você também acha isso?
Que eles vêm castrados, sim, e não só pelos pais, mas também pela pressão dos pares. É essa fase tão difícil da vida em que você luta para se ajustar, para ser aceito, para não ser diferente, mas igual. O bonito é quando se rompe com isso. A obra do Coutinho se assenta na crença radical de que só o que importa é a singularidade, o que em cada um é intransferível. Esse patrimônio único é a riqueza a qual vale a pena chegar, e Coutinho chega a ela nas conversas desse filme.

O filme acaba sendo muito sobre o Coutinho também. Ele aparece e fala muito mais que em qualquer outra produção. Ele se expõe mais por que estava mais ansioso durante as filmagens (pela insegurança com o objeto filmado) ou isso é resultado da edição?
Talvez a edição tenha chamado mais atenção para isso. Afinal, o filme não é mais apenas dele, mas da Jordana e meu também, e nossa saudade dele é muito grande. Coutinho está presente em todos os seus filmes, e não apenas pelo fato meio banal de a obra ser uma expressão do desejo e da imaginação dele. É bem mais do que isso. A recorrência dos mesmos temas ao longo de tantos filmes rodados com personagens de origens tão diferentes deixa claro que o denominador comum sempre foi ele, Coutinho. Por que o tema da morte está tão presente em conversas com jovens que sequer chegaram aos vinte anos? Porque a morte era um assunto dele, assim como a fé, a metafísica da morte e a relação pai e filho. As conversas são ricas porque ele não se esvaziava de si mesmo, como cansou de dizer, mas se punha ali, a pleno, com seus medos e suas angústias, à cata de alguém com quem pudesse passar alguns minutos compartilhando as alegrias e os medos de quem está vivo. Quando funcionava, era como ele diz no documentário do Carlos Nader: “Eu te dei alguma coisa, você me deu alguma coisa”. É isso a dádiva. 

A cena em que Coutinho finalmente conversa com uma criança, como ele mesmo queria, já é antológica. Há ali mais do que um encontro de gerações, são as duas pontas da vida. Em que circunstância aquela cena aconteceu? Coutinho chegou a entrevistar outras crianças?
Sim, é o encontro luminoso das duas pontas da vida. E mais: para quem passou a vida atrás de quem pudesse dar novo lustre às palavras, onde mais buscar esse brilho senão na fala de uma criança para quem tudo ainda é novo? Foi como chegar à fonte. Luiza, que é sobrinha da produtora do filme Carolina Benevides, foi um presente da equipe. No último dia, eles levaram duas crianças para conversar com Coutinho. Luiza era a mais nova das duas.

A julgar pelas enormes filas nas exibições do filme no “É tudo Verdade” – e muito pelas manchetes sobre sua morte–, Coutinho parece que está sendo descoberto por muita gente agora.
Espero que sim. Não pelo Coutinho, mas pelas pessoas. É muito bom descobrir alguém como ele.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
Roberto Sadovski
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
EFE
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
EFE
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
do UOL
do UOL
UOL Entretenimento
do UOL
do UOL
AFP
Cinema
do UOL
do UOL
Cinema
BBC
do UOL
EFE
Cinema
do UOL
do UOL
AFP
UOL Cinema - Imagens
do UOL
do UOL
Topo