Cinema

Em Cannes, Cate Blanchett diz que teve relações "sem sexo" com mulheres

Reuters
17.mai.2015 - A atriz Cate Blanchett acena para a plateia do Festival de Cannes 2015 logo após participar de entrevista coletiva de seu novo filme "Carol"; ao fundo, foto da atriz Ingrid Bergman imagem: Reuters

Thiago Stivaletti

Do UOL, em Cannes

"Carol", de Tedd Haynes, exibido na competição de Cannes, deve fazer pelas lésbicas o que "Brokeback Mountain" fez há dez anos pelos gays: conseguir que uma história de amor homossexual caia no gosto de um público mais amplo e mais conservador.

Cate Blanchett vive a Carol do título, uma mulher no início dos anos 50, divorciada e mãe de uma filha. Um dia, ela vai comprar um presente de Natal para a menina e se encanta com uma vendedora mais jovem que ela, Therese (Rooney Mara, de "Millennium: Os Homens que Nao Amavam as Mulheres"). Para ficar com Therese, Carol tem que enfrentar a fúria do ex-marido e a sociedade conservadora da época.

O filme já chegou quente ao festival depois que revista "Variety" estampou Cate na capa dizendo que já teve "relações" com várias mulheres. Hoje, em Cannes, ela colocou os pingos nos Is.

"Pelo que eu me lembre, o repórter me perguntou: você já teve relações com mulheres? Sim. Com sexo? Não", disse, fazendo a plateia rir. "Mas a questão em 2015 deveria ser: quem liga para isso? Ha uns 70 países no mundo onde a sexualidade é algo de alguma forma ilegal. Vivemos em tempos muitos conservadores. Se achamos que não, estamos sendo ingênuos", criticou.

Uma das divas que mais filma com grandes diretores hoje em dia - Scorsese, Woody Allen, David Fincher -, Cate tratou de minimizar a importância da cena de sexo com Rooney Mara no filme. E ela tem razão - é uma cena delicada, integrada ao romance das personagens. "Não foi mais desconfortável do que fazer uma cena de sexo com um homem. Sim, teve um pouco de apreensão, mas não pelo fato de ser duas mulheres".

Estreia na direção

Como está quente este ano o debate em Cannes sobre a pouca presença de mulheres e temas femininos num cinema dominado por homens, ela também foi convidada a falar sobre o tema. "Um jornal publicou outro dia que este é o ano das mulheres. Espero que não seja só o ano. Mas sinto que, quanto melhores os projetos, mais eles podem servir bem a homens e mulheres igualmente", disse.

"Carol" foi adaptado de "The Price of Salt", escrito em 1952 por Patricia Highsmith - mais conhecida como a autora de "O Talentoso Ripley". O filme já tem distribuição garantida no Brasil, mas sem data de estreia definida.

Depois de dirigir muitas peças de teatro, Cate sonha em dirigir o primeiro filme. Adaptado de um best-seller holandês, "The Dinner" será um thriller sobre duas famílias que precisam tomar uma decisão séria envolvendo seus filhos adolescentes - todo o filme se passa num único jantar. "Mas sabe, sou mãe de quatro filhos, e as coisas não acontecem no momento em que você quer. Ainda preciso esperar o momento certo para mergulhar no projeto".

Topo