Topo

Filmes e séries


Tema de muitos filmes, Muhammad Ali protagonizou a própria cinebiografia

Do UOL, em São Paulo

04/06/2016 13h10

A vida de Muhammad Ali foi tão inacreditável que serviu muitas vezes como inspiração para o cinema. O tricampeão mundial e campeão olímpico de boxe, que morreu nesta sexta-feira (03) aos 74 anos, tinha presença na tela grande e já foi foco de especiais, documentários e até uma cinebiografia – onde Ali interpretava a si mesmo.

"The Greatest" [O melhor] não era apenas o apelido de Ali, mas também o nome do filme que marcou sua estreia nos cinemas. Dirigido por Tom Gries e Monte Hellman, o longa narra a história do lutador a partir dos Jogos Olímpicos de 1960 até 1974, na histórica luta contra George Foreman.

Ernest Borgnine interpreta o técnico Angelo Dundee e James Earl Jones dá vida ao líder político Malcolm X, mas quem vive Ali é o próprio -- o que torna o filme um registro único, repleto de imagens marcantes de suas lutas.
 

Trailer de "The Greatest", com Muhammad Ali

UOL Entretenimento

Ali gostou tanto de estar do outro da tela que voltou a atuar em 1979, no filme para TV “Freedom Road”, onde interpretou Gideon Jackson, um ex-escravo americano que se elege senador. Tema caro também na sua vida pessoal.

Sua vida voltaria a ser reencenada em 2001, com “Ali”, de Michael Mann. Desta vez, o lutador é vivido por Will Smith. Até então um ator típico de comédias e ação, Smith surpreendeu ao viver os dramas do boxeador, após a derrota contra Sonny Liston e a conversão ao Islã.

“Quando Éramos Reis”, de 1996, foi mais a fundo no personagem e ganhou o Oscar de melhor documentário. Foreman e Ali subiram ao palco da premiação para receber a estatueta, sob aplausos e reverências de uma centena de astros do cinema.

Não faltaram documentários, antes e depois do Oscar, que ajudassem a entender o fenômeno no esporte, como “Um Fenômeno Chamado Cassius Clay” (1970) e “Eu Sou Ali: A História de Muhammad Ali” (2014), mas que também esmiuçasse o homem político e ativista.

Em “A Maior Luta de Muhammad Ali” (2013), o cineasta britânico Stephen Frears foca na luta fora do ringue, na Justiça americana, em 1967, quando Ali se recusou a ir a prestar serviços militares, e por consequência se negar a participar da Guerra do Vietnã, por questões religiosas. O boxeador teve que lidar com consequências. Seus advogados o livraram de passar cinco anos na prisão, mas o ídolo perdeu a licença para lutar. Mais adiante, perdeu também o título mundial dos pesados.

Filmes e séries