Topo

Filmes e séries


Wagner Moura diz que empresas estão boicotando seu filme sobre Marighella

Do UOL, em São Paulo

2016-09-17T06:00:00

17/09/2016 06h00

Astro internacional e protagonista da série “Narcos”, Wagner Moura está tendo dificuldade no financiamento de sua estreia domo diretor, na cinebiografia de Carlos Marighella.

Segundo o ator, que não revelou nomes, empresas estão rejeitando apoiar um filme de um político e guerrilheiro de esquerda, que em 1969 foi morto pela ditadura militar.

Esse tipo de postura das companhias seria uma represália. Moura é um dos artistas brasileiros mais relevantes a se posicionar abertamente contra o impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, ao contrário de vários diretores de marketing.

“Já recebemos e-mails de que não iriam apoiar um filme meu, ainda mais sobre alguém como o Mariguella, um ‘terrorista’”, disse Moura em entrevista ao blogueiro do UOL Leonardo Sakamoto.

Inspirado no livro de "Marighella - O guerrilheiro que incendiou o mundo", de Mario Magalhães, o filme será produzido em parceria com a O2 Filmes, do cineasta Fernando Meirelles.

“Esse projeto vem até antes de toda discussão do impeachment”, diz o ator. “A vontade vem desde o quando Mario lançou o livro. Senti muito interesse pela figura do Marighella, baiano como eu. Um sujeito que escapa um pouco à figura do guerrilheiro clássico Che Guevara.”

Na conversa, Wagner também falou sobre a não indicação de “Aquarius” para concorrer à vaga de melhor filme estrangeiro no Oscar, vista por muitos como uma retaliação oficial ao diretor Kleber Mendonça Filho e equipe, que se manifestaram publicamente contra o “golpe”.

“Eu não iria tão longe. Mas isso é fruto do que a gente vive hoje. Não vejo má-fé”, disse o Moura, que diz não reconhecer o governo Temer nem o novo Ministério da Cultura, chefiado por Marcelo Calero.

Leis de incentivo

Outro assunto espinhoso na conversa: os mecanismos de incentivo ao cinema. Wagner Moura é totalmente a favor deles. Para o ator, não haveria sétima arte no Brasil desde a retomada sem esse tipo de financiamento.

Na opinião dele, as críticas de que estaria “mamando” em dinheiro público são tanto fruto tanto do momento atual, de extrema polarização política, quanto de um tipo de narrativa, que muitas vezes descamba para a “canalhice”.

Como exemplo, ele usou as campanhas que alguns jornalistas e figuras públicas empreendem pedindo o boicote a artistas favoráveis a Dilma Rousseff. “Esses caras que fazem isso não são tão ignorantes quanto parecem ser nos textos que escrevem”, entende.

“Se você coloca seu projeto para ser avaliado Ministério da Cultura e ele é aprovado, não quer dizer que você vai ter esse dinheiro. Você tem que mendigar. Inclusive, de uma forma distorcida. A Lei Rouanet é uma lei neoliberal, que deixa para as empresas a aplicação de dinheiro público. As críticas que fazem à lei são por motivos errados.”